Sitiado, Bolsonaro ameaça; sociedade precisa isolá-lo

"O desafio é como o país conviverá, em plena pandemia, com um celerado genocida que pouco se preocupa com quase 300 mil mortes", analisa o jornalista Marcelo Auler. "É preciso isolá-lo, não basta apenas confiarmos nas instituições", afirma

www.brasil247.com - Jair Bolsonaro fala a apoiadores no dia do aniversário
Jair Bolsonaro fala a apoiadores no dia do aniversário (Foto: Reprodução)


Por Marcelo Auler, em seu Blog 

Jair Bolsonaro dá sinais de desespero. Sentindo-se encurralado, sitiado, recorre às ameaças, mesmo sabendo que não tem poderes para concretiza-las. Como sugerir um Estado de Sítio, na expectativa de governar com medida drástica, que permite ao Executivo restringir direitos constitucionais.

Boquirroto, no desespero fala o que não poderá cumprir pois para adotar o regime especial previsto na Constituição para casos bem específicos, dependerá da aprovação do próprio Congresso Nacional.  Como se não bastasse, estará sob o julgo do Poder Judiciário.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Não se trata de apostar que as instituições brasileiras estão funcionando e respeitarão o Estado Democrático de Direito. Afinal, as experiências recentes mostraram que nem sempre foi assim que a banda tocou. Mas não é crível imaginarmos que Congresso e Judiciário avalizarão uma tentativa de golpe em plena crise sanitária, com cerca de 3.000 mortes diárias, remédios e oxigênio faltando em diversos pontos do país, sem perspectiva do único imunizante capaz de combater a epidemia – as vacinas – que não foram adquiridas a tempo hábil por causa do negacionismo do presidente. Não há como imaginar que aceitarão empoderar aquele que não só demonstra, dia após dia, ser incapaz de comandar o país nessa crise como ainda joga a favor do vírus. Como lembrou o governador do Piauí, Wellington Dias, é necessário justamente o inverso: “Isolar quem trabalha a favor do vírus“.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Nem mesmo os políticos ligados ao Centrão que ajudaram Bolsonaro eleger os presidentes da Câmara e do Senado e vivem correndo atrás de cargos e benesses parecem dispostos a permanecer nesta embarcação que trafega sobre mais de 300 mil cadáveres. Grande parte dessas mortes é culpa direta da incúria e despreparo do governo federal. Resultado sim de uma política genocida. Mas não são apenas os políticos do Centrão que abandonam o barco bolsonarista. Há aliados de oportunidade nas últimas eleições, como os atuais governadores de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB) e do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB). Estes, diante da caótica situação que presenciam e tentam administrar em seus estados, já deram as costas ao que fala o presidente, ainda que sofrendo críticas de alguns de seus eleitores.

Máscara e globo terrestre, meros disfarces

Charge de Miguel Paiva, publicada originalmente no Brasil247 , em 20 de março de 2021.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Enganou-se quem imaginou que, acossado pelo descontrole da pandemia com este excesso de mortes acontecendo e até mesmo pelo discurso lúcido e claro do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendendo o óbvio e demonstrando como deve agir o líder de uma nação, levariam Bolsonaro a mudar de posição. O faria sair do negacionismo. O uso eventual de máscara e o globo terrestre em cima da mesa da sua live foram meros disfarces.

A malfadada escolha de Marcelo Queiroga como ministro da Saúde – indicado por Flávio Bolsonaro, o filho 01 – e a iniciativa de recorrer ao Supremo Tribunal para tentar frear/atrapalhar o trabalho de governadores, alguns até então aliados, demonstra que ele não mudará. O novo ministro chegou dizendo que veio para continuar o que tem sido feito, ou seja, trocaram seis por meia dúzia. Com isto, desagradaram aos políticos do Centrão, a começar pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL) que defendia uma mudança efetiva na política da saúde, através da cardiologista Ludhmila Hajjar. Outra prova concreta de que Bolsonaro não muda foi a comemoração do aniversário no domingo (21/03), aglomerando seguidores, em pleno luto de cerca de 300 mil famílias cujos entes se foram com a Covid.

Aliás, no dia do seu aniversário o presente que Bolsonaro recebeu não foi nada agradável. As próprias manifestações de seus aliados com desfiles e aglomerações em Brasília e no Rio de Janeiro, antes de serem uma demonstração de força – o grupo reduz-se a cada aparição – serviram mais como comprovação de que o radicalismo permanece.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Um radicalismo que não se pode mais levar em conta, pois soa como promessas vazias. Da boca para fora. Mesmo quando feitas em forma de ameaças. Tal e qual o vídeo que circulou com supostos paraquedistas em marcha na Barra da Tijuca (Rio), em que um deles ameaça quem for a favor do impeachment. Algo idêntico à verborragia utilizada pelo deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ), nos ataques que desferiu contra o Supremo Tribunal Federal (STF). Preso na mesma noite em que postou o vídeo (16 de fevereiro) ao ser levado perante um juiz, mudou o discurso. Amarelou. A valentia desse povo tem se demonstrado apenas virtual. 

Os milicianos que o bolsonarismo tem arregimentado, ainda que apareçam em grupos menores, continuarão dando a cara em manifestações e ameaças. Mas serão vencidos, pela própria realidade que negam, como ocorre com o líder deles. O aparecimento deles no domingo simplesmente mostrou à maioria da população que o radicalismo domina e continuará dominando os seguidores do presidente. Ainda que mereçam atenção, não podem causar paralisação por medo. Se não é possível descuidar, eles não devem ser superdimensionados. 

Mas o presente de grego foi concreto: a “Carta Aberta à Sociedade Referente a Medidas de Combate à Pandemia – O País Exige Respeito; a Vida Necessita da Ciência e do Bom Governo” na qual mais de 200 economistas, banqueiros e empresários, enfim, personalidades do chamado “mercado” dão um ultimato ao presidente, sem mencionarem seu nome diretamente. Um documento na contramão de tudo o que pensa e fala Bolsonaro, defendendo, inclusive, o lockdown. Ou seja, defendem o óbvio, tudo aquilo que vem sendo negado desde o início pelo presidente:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Estamos no limiar de uma fase explosiva da pandemia e é fundamental que a partir de agora as políticas públicas sejam alicerçadas em dados, informações confiáveis e evidência científica. Não há mais tempo para perder em debates estéreis e notícias falsas. Precisamos nos guiar pelas experiências bem-sucedidas, por ações de baixo custo e alto impacto, por iniciativas que possam reverter de fato a situação sem precedentes que o país vive.


Juntar forças para isolar o genocida

Isolamento – Charge de Miguel Paiva
Isolamento – Charge de Miguel Paiva, publicada originalmente no Brasil247 , em 22 de março de 2021.(Photo: Miguel Paiva)


Foi mais um movimento a acuar – sitiar – o negacionista Bolsonaro. Este, no desespero, tenta um novo bote salva-vidas. Convocou reunião com os presidentes dos demais poderes para discutir a crise sanitária. Insinua uma espécie de comitê de combate à pandemia. Tardiamente e com as pessoas erradas.

Inicialmente convém lembrar que não cabe a um presidente do Judiciário imiscuir-se em debates sobre políticas públicas a serem adotadas pelo Executivo em consonância ou não com o Legislativo. Até porque, na condição de presidente do Supremo Tribunal Federal ele muito certamente será chamado a julgar ações em torno destas mesmas políticas. Como a do próprio Bolsonaro que tenta barrar as iniciativas de governadores. Afinal, hoje o país vive a judicialização de tudo, provocada por todos.

Independentemente dos parceiros que Bolsonaro terá na reunião, há uma questão de fundo principal. O que se deve esperar deste encontro? Na realidade, nada. Pois nada acontecerá, já que a única saída possível será por ele rejeitada: seguir os ditames da ciência e as experiências bem sucedidas. Ou seja, “políticas públicas sejam alicerçadas em dados, informações confiáveis e evidência científica”, como defende a carta acima citada.

Como bem lembrou Helena Chagas em Manifesto da elite econômica sela isolamento de Bolsonaro, “o certo, o lógico, o racional para um presidente encurralado como ele seria ceder“. Ela própria duvida disso, ao questionar sem seguida: “Conseguirão os desesperados assessores convencer Bolsonaro de que é preciso frear a marcha da insensatez? Façam suas apostas. Ganha uma cartela de cloroquina quem acertar.”

Todas as demonstrações de Bolsonaro são claras de que ele não pretende mudar de posição, mesmo isolado/sitiado. Vem reafirmando – como na sua fala de domingo aos seguidores – o mesmo discurso. Aquele que todo o país – à exceção dos seus fanáticos seguidores – não apenas contesta, mas se assusta diante dele. Continua, ainda que de forma indireta – “Estão esticando a corda, faço qualquer coisa pelo meu povo. Esse qualquer coisa é o que está na nossa Constituição, nossa democracia e nosso direito de ir e vir” (sic) -, com ameaças que sabe não ter respaldo político para executar.

Papel da sociedade civil é importante

O desafio, porém, é como o país conviverá, em plena pandemia, com um celerado genocida que pouco se preocupa com quase 300 mil mortes e só foca na sua pretensa tentativa de permanecer no cargo depois de 2022. É preciso, como disse o governador do Piauí, isolá-lo. Para fazer frente a tudo isso, não basta apenas confiarmos nas instituições. Elas precisam ser provocadas, atiçadas, para juntas ou cada qual dentro do seu “quadrado”, atuarem não apenas para frear as loucuras e/ou descasos do presidente. Precisam assumir, urgentemente, a organização e a promoção do combate à pandemia, em consonância com os governadores. Tentando reduzir a transmissão do vírus, com isolamentos sociais rígidos, ao mesmo tempo em que devem acelerar a vacinação, do jeito que for possível.

Ao Supremo, por exemplo, cabe encarar rapidamente a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF – 812) impetrada pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (CFOAB) pedindo a obrigação da União disponibilizar recursos para adquirir as doses das vacinas contra a Covid-19 de forma a imunizar em massa a população brasileira. Não apenas vacinas, mas também insumos médicos e hospitalares necessários ao atendimento dos milhares dos doentes internados.

Ou ainda barrar a tentativa de Bolsonaro de impedir que governadores e prefeitos, que vivem de perto o drama da superlotação dos hospitais, atuem na expectativa de reduzir novos contágios para reduzir a demanda por leitos e medicamentos. Ou seja, evitar que prevaleça o negacionismo que o presidente apregoa.

Também o Legislativo precisa atuar, a começar por fazer valer a Constituição que prevê como obrigação do Estado a garantia do atendimento a toda a população na área da saúde. É preciso deixar interesses políticos eleitorais de lado para juntar esforços no combate ao mal maior do momento, a pandemia. Tomar decisões que levem o Executivo a cumprir seu papel. Ainda que isso exija que se contenha o presidente.

Já que seria demais pensar em impeachment – o qual, por mais necessário que seja, parece assustar a muitos – que ao menos brequem os ímpetos desvairados de Bolsonaro. Um excelente freio, por exemplo, é a instalação da CPI da Pandemia que, na verdade, dever ser denominada como CPI do Genocídio.

Do Legislativo se espera medidas concretas de apoio aos mais atingidos pela pandemia e seus efeitos colaterais, como ao necessário lockdown: os desempregados ou trabalhadores informais, que precisam urgentemente do apoio do Estado para sobreviverem.

Trata-se também de um compromisso a ser assumido pela sociedade civil de uma forma em geral. Não apenas através das entidades que a representam. Mas também pelo cidadão em si, com o exemplo, e o trabalho individual de convencimento dos mais céticos. As ajudas pessoais difundindo e proporcionando a quem necessita os meios de combate ao vírus – com o uso de máscaras, de produtos de higiene, e o próprio isolamento.

Algo que para muitos só será possível se contarem com a ajuda de cestas básicas, já que precisam garantir alimentos para os seus. Tal como ocorreu há um ano, quando a solidariedade surgiu de formas variadas por grupos ou mesmo pessoas diversas. Portanto, não basta isolar-se. É preciso movimentar-se, mesmo no isolamento, para ajudar a quem precisa e vencer o discurso negacionista, com exemplos práticos e reais.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email