Soberania nacional, soberania intelectual

Eduardo Dias da Costa Villas Bôas
Eduardo Dias da Costa Villas Bôas (Foto: Gustavo Conde)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Em recente pesquisa, o Datafolha aferiu o comportamento da população com relação a declarações políticas de militares. Aparentemente, a maioria da população entende que os militares têm o direito de se expressar politicamente.

A princípio, pesquisa e direito à manifestação não se discute. São pressupostos básicos da democracia. Ocorre que não é tão simples assim, em se tratando de um momento histórico delicado e no evidente sequestro da democracia que se deu sob as barbas da caserna, da imprensa e da população civil.

O comandante das Forças Armadas Brasileiras tem dado muitas declarações periódicas aos veículos tradicionais de imprensa ou pelo menos deixado esses veículos se apropriarem de suas falas e co-enunciá-las, produzindo uma estranha leitura híbrida da realidade nacional. É um mecanismo complexo que enseja observação técnica.

Não há razão objetiva para ser contra um militar ter opinião e expressá-la, pelo contrário. O que chama atenção é a natureza do enunciado, o lugar institucional de onde ele sai e o simplismo hierárquico com que ele é dito.

Diz o general Villas Bôas hoje que “a ideologização dos problemas nacionais” é uma ameaça à democracia. É exatamente o contrário, Sr. general! A ideologização é um processo simbólico elementar da linguagem. Sem ideologização não existe nem sentido e nem língua. Se a ideologização não te agrada, combata-a com a sua ideologização, que é, aliás, o que o Sr. acabou de fazer.

Porque dizer que “a ideologização dos problemas nacionais é uma ameaça à democracia” é uma ideologização de ‘democracia’, de ‘problemas nacionais’ e de ‘ameaça’.

Ideologização é produzir sentido. Se no exército não se aprende ciências humanas e nem linguística – deveria, porque muitas guerras são vencidas através da linguagem e da semiótica, haja vista os EUA – o uso dos conceitos deste campo do saber deveria ser, no mínimo, passível de alguma revisão técnica por algum subordinado revisor.

O espaço da democracia é, no próprio conceito, o espaço para que se haja embate de ideologizações. E é desse embate que nasce o princípio básico da democracia: uma ideia que vence na batalha do debate público - das eleições - e depois perde democraticamente para uma ideia melhor, produzindo a salvaguarda humanista e democrática que é a alternância de poder (e das ideias).

O exército pode não ter alternância de ideias, mas o exército e as Forças Armadas de um país soberano deveriam zelar por essa alternância de ideias que caracteriza as sociedades democráticas mundo afora que, ademais, garante a manutenção operacional das forças que têm por obrigação defender o país das ideias violentas do inimigo.

O império das ideias únicas e das ideologizações seletivas é império do totalitarismo no qual o nosso país mergulhou com tanta determinação nesses últimos dois anos.

Não se iluda dentro da sua própria ideologização, prezado general. Suas falas e declarações dos últimos dois anos são apenas sintoma de uma ideologização muito maior e mais poderosa que a sua própria ilusão de produzir algum enunciado original e dotado de sentido pode imaginar.

O país mergulhou em entropia cognitiva e gostou disso - o sr. e eu, um reles civil pagador de impostos, sabemos disso. Adesistas a esse processo são apenas isso: adesistas. Esse processo sem face e sem fiança autoral é a negação fatal do processo de produção de sentido e de produção de democracia.

Negar o contraditório das interpretações do mundo real dos discursos, do debate e dos textos é uma prática que foi muito popular nos anos 30 em um determinado país da Europa central, é preciso lembrar. Eles produziram a negação do sentido, como parece que alguns militares de alta patente e parte considerável da elite brasileira fazem neste momento.

Processar as dificuldades óbvias que teremos para nos re-encontrar com a civilidade democrática em níveis tão simplistas e totalitários de compreensão do que seja o universo simbólico é apenas usar a força e insistir na força. Não na força das palavras que pulsam na plurivocalidade que caracteriza a sociedade humana, mas na força bruta e arbitrária da negação, a negação da própria palavra como elemento de redenção de nossas violências atávicas e de nossa pulsão de morte.   

Uma força digna do nome deveria, antes de vaticinar sobre a epistemologia do debate público, preocupar-se com a soberania de um pais continental, como, aliás, está cravado e lavrado em texto constitucional quando o assunto são Forças Armadas.

Forças Armadas combatem e protegem a população de um determinado país, pelo menos nesse momento histórico pelo qual passa a nossa gloriosa e complexa humanidade. O inimigo, como bem já lembrou o ilustre general, pode bem estar encravado dentro das próprias fronteiras, parasitando o Estado e aprofundando o sofrimento da população mais pobre.

Que não se fuja desse destino histórico através de declarações de efeito que fazem agradar segmentos reacionários que buscam apenas a manutenção de seu poder secular. A caserna tem seu sentido e é um sentido importante e fundamental para a manutenção da soberania não apenas nacional, mas da soberania intelectual de uma nação.

Um comandante militar deve inspirar seus liderados militares, não alvoroçar o povo civil e o sentido de democracia consagrado a esse povo com frases soltas que agradam tanto a porção colonizada de um país. Algo está claramente errado aqui.

Militares são inteligentes para traçar estratégias de defesa e de disciplina. Que essa inteligência não se perca tão facilmente no tecido desorganizado em que se transformou a discussão sobre a soberania de um povo e das fronteiras de um país que mal conquistou seu equilíbrio etário-demográfico. Somos ainda um país jovem que merece o respeito pela massa trabalhadora que deu seu sangue para construir o pouco que ainda não foi vendido.

Enquanto um general fala pelo Twitter e pela imprensa, o patrimônio do país e das próprias forças armadas vai sendo entregue aos americanos. A Embraer é apenas um desses patrimônios imprecificáveis – porque foi construído às custas de mais de 50 anos de tecnologia inovadora feita pelos próprios militares.

Algo está errado, é preciso repetir. Deixar-se seduzir por uma força obscura e messiânica que insiste em ditar regras unívocas de interpretação de texto para uma população ferida de morte com o sequestro da democracia é, para dizer o mínimo, o esplendor da autodegradação e do suicídio coletivo.

Não se pode aceitar ser um sintoma mesquinho de um país em chamas. É baixo demais para quem deveria se dar ao respeito de ocupar uma função de liderança institucional de defesa da soberania.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247