Sobre futebol e política: a alma do brasileiro

O tamanho da derrota e a perplexidade diante do imponderável nos trazem lições que extrapolam o mundo do futebol e penetram profundamente na alma do brasileiro e na identidade nacional

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

É sempre bom vencer e vontade não faltou à seleção brasileira. A tão sonhada vitória teria levado ao êxtase nacional, a derrota não pode levar a outro lugar senão à reflexão e ao crescimento. Ensina-nos o evangelho que onde há luto as pessoas o aplicam ao seu coração para se tornarem pessoas melhores.

O tamanho da derrota e a perplexidade diante do imponderável nos trazem lições que extrapolam o mundo do futebol e penetram profundamente na alma do brasileiro e na identidade nacional. A derrota grandiloquente, ainda mais para uma seleção alemã, tem muito a nos ensinar.

À parte todas as explicações técnico-futebolísticas possíveis, é preciso entender o significado que há no sentimento de "grupo" e numa real "coletividade" que vá além do jargão. Futebol é um esporte que se joga em grupo, e a vitória depende do talento pessoal de cada jogador, mas também, essencialmente, do sinergismo entre eles, que não pode aparecer senão na coletividade. A Alemanha mostrou as duas coisas.

A genialidade do brasileiro, a arte do improviso e a confiança de que Deus é brasileiro são sempre o nosso diferencial e por isso temos logrado êxito em sucessivas campanhas futebolísticas, em detrimento, quase sempre, de uma maior organização, disciplina, planejamento e entrosamento da coletividade.

Neste fatídico jogo, os alemães mostraram futebol e também arte, além do que, ao que parece, Deus, pelo menos desta vez, estava ao lado deles. Fora quase 100% de aproveitamento. Incrível. Talvez a divindade esteja querendo nos ensinar que o Brasil não pode continuar sendo o país do futuro, e que é chegada a hora de ser o país do presente, aliando às nossas virtudes um maior senso responsabilidade e coletividade.

No futebol como na política sempre estivemos em busca de salvadores da pátria. É incontável o panteão de heróis já construídos como forma de anestesiar a dor e motivar a esperança. Não raro aparecem os caçadores de marajás, presidentes-garis com a vassoura empunhada e outros perfis messiânicos que acabam caindo no gosto popular.

Em ambos os casos a mídia sensacionalista constrói mitos no varejo, que quando não vingam levam à frustração milhões de brasileiros. Já houve a copa do Pelé, a do Romário e a do Ronaldo, dito "Fenômeno", como também variados "milagres brasileiros" produzidos nos gabinetes e amplificados pelos meios de comunicação de massa como verdade absoluta.

Perder da seleção alemã nos traz um grande aprendizado, porquanto ninguém como eles tiveram que aprender o preço da mitificação e do personalismo durante a segunda guerra mundial. Por isso, hoje, do lado de lá não houve heróis, nem ídolos. Após o jogo a palavra repetidamente utilizada para explicar o êxito alemão fora coletividade. Até o recorde brasileiro batido pelo atacante Klose, segundo ele, parecia não ter muito significado diante da conquista coletiva.

Em março de 1964, em discurso na Central do Brasil, o então presidente João Goulart montava um esquema tático que propunha justamente um avanço deste sentimento de coletividade no País, mas lamentavelmente a "equipe" ainda não compreendia a força do coletivo e por isso preferiu a mitificação dos homens de farda, pretensos salvadores da nação.

A despeito de toda campanha negativa da grande mídia contra a copa e contra este novo Brasil que se mostra ao mundo, a seleção chegou muito longe, mas poderia chegar muito mais se tivesse compreendido e valorizado a diversidade na coletividade. De igual modo, o povo brasileiro precisa aprender com o passado e mesmo com a copa do mundo, que não pode abdicar de ser protagonista do seu próprio jogo.

Na política, como na copa, o interesse coletivo deve se sobressair ao individual, as conquistas são de todos, os fracassos também. Sobre isso, tenho dúvida se, como jogador, o Ronaldo fora realmente este fenômeno que se diz; todavia, fora de campo, creio ser ele um emblema deste Brasil que poderia muito mais, mas lamentavelmente tem vergonha de si mesmo e prefere acreditar em salvadores.

A Alemanha até se firmar como nação, diga-se, tardiamente, sofria também do chamado complexo de vira-latas. Para eles, não havia valor naquilo que era produzido internamente, apenas o que vinha de fora tinha importância, especialmente da França. Vencer este complexo de vira-latas foi, sem dúvida, a maior goleada que este país já empreendeu. Neste sentido, quando perguntado qual a maior conquista do seu governo, o ex-presidente Lula prelecionou: provar que um trabalhador pode governar bem este país.

Findada a copa, passaremos a jogar outro campeonato muito mais importante, do qual depende o futuro dos nossos filhos. Nesta eleição presidencial a grande mídia vai continuar a escalar seus candidatos a heróis e salvadores, resta saber se vamos continuar assistindo ou também vamos entrar em campo para jogar.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247