Sobre o "Vão procurar o Ministério do Trabalho" que o deputado Marco Feliciano disse aos artistas

rtistas são fotógrafos pais, atrizes mães, pintoras e pintores que fazem da rua suas telas, são negras e negros que tem que lutar para aparecer no Cinema, são LGBTs expulsas e expulsos de casa porque preferiram fazer um Teatro de verdade e diferente do seu, Dep. Feliciano, dentro de Igrejas

rtistas são fotógrafos pais, atrizes mães, pintoras e pintores que fazem da rua suas telas, são negras e negros que tem que lutar para aparecer no Cinema, são LGBTs expulsas e expulsos de casa porque preferiram fazer um Teatro de verdade e diferente do seu, Dep. Feliciano, dentro de Igrejas
rtistas são fotógrafos pais, atrizes mães, pintoras e pintores que fazem da rua suas telas, são negras e negros que tem que lutar para aparecer no Cinema, são LGBTs expulsas e expulsos de casa porque preferiram fazer um Teatro de verdade e diferente do seu, Dep. Feliciano, dentro de Igrejas (Foto: Caio Leal)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sr., infelizmente, Deputado, sou filho de uma professora de Artes Visuais e História da Arte e de um fotógrafo. Sou filho da Arte e Cultura. Sou baixista em uma banda e tenho um irmão poeta. Tudo que tive e tenho, e muito do que vou ter se deve a eles. Se deve à Arte. À Cultura.

O Capital aqui de casa é e veio da Cultura. Minha Educação foi paga com fotografias e aulas de Arte. Aliás, não foi com dinheiro dos incentivos do Ministério da Cultura, mas antes fosse! Foi de forma suada de quem veio do Piauí para Brasília tentar a vida e seguir os sonhos da Fotografia e da Arte, porque não tiveram a oportunidade na época de receber incentivos à Cultura e valorização como o Estado veio a dar posteriormente por meio do Ministério da Cultura. E não é porque não tiveram, que acham que os outros não devem ter, a questão é justamente o contrário. Por não terem tido essas oportunidades no passado, incentivam ainda mais quem pode aproveitar estas chances de mostrar seu trabalho com mais qualidade e investimento na Cultura.

Artistas são mais do que os globais, sem querer tirar a legitimidade destes também, claro. Cultura é mais do que as propagandas da Som Livre no intervalo do Jornal Nacional. Artistas são fotógrafos pais, atrizes mães, pintoras e pintores que fazem da rua suas telas, são negras e negros que tem que lutar para aparecer no Cinema, são LGBTs expulsas e expulsos de casa porque preferiram fazer um Teatro de verdade e diferente do seu, Dep. Feliciano, dentro de Igrejas. Cultura são os povos indígenas resistindo ao seu etnocídio.

E para ir além da questão "apenas" das e dos Artistas, e como estudante de Gestão de Políticas Públicas, me vejo na responsabilidade de também trazer aqui a importância do Ministério da Cultura enquanto parte da Administração Pública e do Estado, bem como resultados de suas Políticas Públicas, que justificam sua necessidade.

Para começar, o Ministério da Cultura foi criado em 1985, no governo Sarney, o que mostra que além do descaso com a História e memória administrativa do Estado brasileiro, o Vice em (des)exercício Michel Temer consegue ser ainda mais conservador que o próprio Sarney. Outra coisa, a história do "corte de gastos" e "diminuição da máquina pública" não se aplica à este corte do MinC, pois já era uma das pastas com menor verba e sua "realocação orçamentária" terá resultados mínimos. Há também o fato de o investimento em Cultura ser um dos poucos que dá retorno empregatício e financeiro direto e imediato, haja vista que um projeto cultural gera emprego não só para as e os artistas, mas também para Câmeras, Fotógrafos, Diretores, Cenógrafo, Revisores, Designer, Técnicos de Som, Eletricistas, Maquinários, Maquiadores, Figurinistas, Pessoal da Limpeza, Catering, Motoristas, Seguranças, Editores, etc. Estes projetos que empregam todas estas pessoas geram movimentação de milhões na Economia que vão além dos impostos gerados, pois também dialogam com outras questões, por exemplo, muitas pessoas que vão em peças, shows, cinema ou exposições acabam fazendo uma pipoca, algo para beber, um brinde ou coisas assim que tem o mesmo impacto na Economia do que o gerado pela redução de investimentos no MinC. E claro, o mais importante, a Cultura gera formação pessoal, pensamento crítico e menos raso, com acesso à diferentes formas de pensamento e escolha e formadora de opinião.

A Arte e a Cultura botam pão na mesa. Artistas pagam impostos e o seu salário como Deputado, diferente de Igrejas. A Cultura Educa. Dá Saúde para a alma. É resistência e luta. É Cidadania e respeito. Cultura é Trabalho. Cultura é Vida!

Deixo aqui, algumas fotos(que particularmente gosto mais) do meu pai, que foram e são, junto ao trabalho da minha mãe como professora de Artes Visuais e História da Arte, o que bota o pão na mesa aqui de casa, me deu Educação, Saúde e ajudou a formar a mim e ao meu irmão como cidadãos.

Pela volta do Ministério da Cultura e pelo Estado Democrático de Direito! A Arte e a Cultura dizem não ao retrocesso e ao Golpe!

Arte e Cultura são trabalho sim!

Parafraseando Nietzsche: "Sem Arte e Cultura, a vida seria um erro."

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247