Sotaque do Recife X Fala no Rádio e Tevê

Isso é a morte da língua, amigos. É um extermínio das falas regionais na voz dos repórteres e apresentadores. Coração não é mais córa-ção, é côra-ção. Olinda, que o prefeito e todos olindenses chamam de Ó-linda, nos telejornais virou Ô-linda

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Raro as nossas vogais "E" e "O" se pronunciam como se escrevem nas sílabas. Nem, muito menos, como "ê" e "ô", ave Maria. Aliás, "ave" é bem ilustrativa da variação, ora se pronuncia "ávi", ora "avé", como se escuta nos cânticos das igrejas católicas do Nordeste. Assim também na palavra Recife, que ora é Ricife, ora é Ré-cife. Ouça-se, a propósito, Alceu Valença cantando Voltei, Recife, e o Coral de Batutas de São José na música Evocação no. 1, de Nelson Ferreira. O coral em suas vozes eternas canta "Ré-cife adór-mecia, ficava a sonhar...".

Mais de uma vez pude notar que os apresentadores na mídia possuem uma língua diferente da falada. Mas a coisa se tornou mais séria quando percebi que, mesmo fora do trator absoluto do Jornal Nacional, os apresentadores locais do rádio e tevê falam também outra língua. O que me despertou foi uma reportagem sobre o trânsito na Avenida Beberibe, no bairro de Água Fria, que tão bem conheço. E não sei se foi um despertar ou um escândalo.

Na ocasião, o repórter e o apresentador na Rede Globo Nordeste somente chamavam Beberibe de Bê-Bê-ribe. O que era aquilo? É histórico, desde a mais tenra infância, que essa avenida sempre tenha sido chamada de Bibiribe, ainda que se escrevesse e se escreva Beberibe.

Ligo para a redação da tevê. Um jornalista me atende. Falo, na minha forma errada de falar, como eu saberia depois. Falo este absurdo, compreendi depois:

— Por que vocês falam bê-bê-ribe, em vez de Bibiribe?

— Porque é o certo, senhor. Bé-Bé é Bê-bê.

— Sério? Quem ensina isso é algum mestre da língua portuguesa?

— Não, senhor. O certo quem nos ensina é uma fonoaudióloga.

Ah, bom. Para o certo erram de mestre. Mas daí pude ver que a fonoaudióloga como autoridade da língua portuguesa é uma ignorância que vem da matriz, lá no Rio. Ou seja, assim me falou a pesquisa:

"Em 1974, a Rede Globo iniciou um treinamento dos repórteres de vídeo. Nesse período a fonoaudióloga Glorinha Beuttenmüller começou a trabalhar na Globo. Como conta Alice Maria, uma das idealizadoras do Jornal Nacional: 'sentimos a necessidade de alguém que orientasse sua formação para que falassem com naturalidade'. Foi nesta época, que Beuttenmüller começou a uniformizar a fala dos repórteres e locutores espalhados pelo país, amenizando os sotaques regionais. No seu trabalho de 'definição de um padrão nacional, a fonoaudióloga se pautou nas decisões de um congresso de filologia realizado em Salvador, em 1956, no qual ficou acertado que a pronúncia-padrão do português falado no Brasil seria a do Rio de Janeiro'".

Isso é a morte da língua, amigos. É um extermínio das falas regionais na voz dos repórteres e apresentadores. Coração não é mais córa-ção, é côra-ção. Olinda, que o prefeito e todos olindenses chamam de Ó-linda, nos telejornais virou Ô-linda. Mas coisa mais bela não há que a juventude gritando no carnaval "Ó-linda, quero cantar a ti esta canção". Já Ô-linda é de uma língua artificial, que nem é do sudeste nem, muito menos, do Nordeste. É outra coisa, um ridículo sem fim, tão risível quanto os nordestinos de telenovela, com os sotaques caricaturais em tipos de físico europeu.

O que antes era uma transformação do sotaque, pois na telinha os apresentadores falariam o português "correto", atingiu algo mais grave: na sua imensa e inesgotável sabedoria, passaram a mudar os nomes dos lugares naturais da região. O tão natural Pernambuco, que dizemos Pér-nambuco, se pronuncia agora como Pêr-nambuco. E Petrolina, Pé-tró-lina, uma cidade de referência do desenvolvimento local, virou outra coisa: Pê-trô-lina. E mais este "Nóbel" da ortoépia televisiva: de tal maneira mudaram e mudam até os nomes das cidades nordestinas, que, acreditem, eu vi: sabedores que são da tendência regional de transformar o "o" em "u", um repórter rebatizou a cidade de Juazeiro na Bahia. Virou JÔ-azeiro! O que tem lá a sua lógica: se o povo fala jUazeiro, só podia mesmo ser Jô-azeiro.

Por isso entendemos como o sotaque do povo do Recife virou capítulo da fonética, ou melhor, de uma nova ortofonia: virou a fala correta, que nunca jamais falaram ou falam os nativos da cidade.

Trecho do "Dicionário Amoroso do Recife", publicado no Diário de Pernambuco

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247