Supremo deve derrotar Temer e denúncia seguirá para a Câmara

"Depois de levar ontem uma traulitada do ministro Luiz Fachin, relator da Lava Jato no STF, Temer deve sofrer hoje uma nova derrota no plenário do STF, com a provável rejeição do plenário a seu pedido para que a segunda denúncia apresentada contra ele por Rodrigo Janot não seja encaminhada à Câmara enquanto não forem concluídas as investigações sobre os bastidores da negociação da delação premiada da JBS", diz colunista do 247, Tereza Cruvinel 

"Depois de levar ontem uma traulitada do ministro Luiz Fachin, relator da Lava Jato no STF, Temer deve sofrer hoje uma nova derrota no plenário do STF, com a provável rejeição do plenário a seu pedido para que a segunda denúncia apresentada contra ele por Rodrigo Janot não seja encaminhada à Câmara enquanto não forem concluídas as investigações sobre os bastidores da negociação da delação premiada da JBS", diz colunista do 247, Tereza Cruvinel 
"Depois de levar ontem uma traulitada do ministro Luiz Fachin, relator da Lava Jato no STF, Temer deve sofrer hoje uma nova derrota no plenário do STF, com a provável rejeição do plenário a seu pedido para que a segunda denúncia apresentada contra ele por Rodrigo Janot não seja encaminhada à Câmara enquanto não forem concluídas as investigações sobre os bastidores da negociação da delação premiada da JBS", diz colunista do 247, Tereza Cruvinel  (Foto: Tereza Cruvinel)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Depois de levar ontem uma traulitada do ministro Luiz  Fachin, relator da Lava Jato no STF, Temer deve sofrer hoje uma nova derrota no plenário do STF, com a provável rejeição do plenário a seu pedido para que a segunda denúncia apresentada contra ele por Rodrigo Janot não seja encaminhada à Câmara enquanto não forem concluídas as investigações sobre os bastidores da negociação da delação premiada da JBS.   O colegiado deve rejeitar a petição alegando que congelar temporalmente a denúncia seria uma intervenção indevida no rito constitucional, que determina apenas o envio da denúncia à Câmara. Lá, o julgamento será político e será dos deputados. Se eles acharem que ela é inconsistente ou que está contaminada por irregularidades ocorridas na condução da delação da JBS, eles que a rejeitem. Esta não é tarefa do STF.   O ministros Marco Aurélio Mello e Luiz Fux já fizeram declarações neste sentido, apontando, como disse Marco Aurélio, a “falta de agasalho jurídico”.

Estando correta esta previsão,  na quinta-feira  Fachin enviará a denúncia à Câmara, tendo início sua tramitação na Comissão de Constituição e Justiça.  O governo começará  novamente a cabalar votos para sua rejeição. Em verdade, já está fazendo isso.   O relator será indicado pelo presidente da comissão, Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), tido como independente. Ele busca um nome que, na tramitação da primeira denúncia, não tenha assumido posição contundente, contra ou a favor de Temer.

Contra as apostas dominantes, de que Temer ganhará mais essa,  existe a limitação fiscal para a compra de deputados com emendas orçamentárias e outros favores e a perda de coesão na base governista. O Centrão, por exemplo, não gostou nem um pouco da decisão de Temer, de agradar os tucanos com a manutenção de Antonio Imbassahy como ministro da coordenação política (Secretaria de Governo). Também nisso, não sejamos inocentes.  Para a maioria governista, pouco importa se a denúncia é consistente ou não, se poderia ou não conter isso ou aquilo. 

Ontem, Fachin rejeitou o pedido da defesa de Temer para que a denúncia de Janot fosse devolvida, para correções, à PGR. Caberia à nova procurador-geral da República, Raquel Dodge, acolher ou não os argumentos de que Janot referiu-se,  na denúncia, a  crimes supostamente cometidos antes do exercício do mandato, devendo suprimi-los da peça, em obediência à Constituição.   Dodge livrou-se de uma saia justa mas perdeu uma oportunidade de provar que não será indulgente com Temer. Ela enfrenta desconfianças suscitadas por seu convescote noturno com Temer no Jaburu, por ter sido nomeada embora não tenha sido a mais votada da lista tríplice, e sim a segunda, e pelas hostilidades sutis ao antecessor e a seu grupo, a exemplo das mudanças que fez na equipe da Lava Jato.

Janot, ao falar da organização criminosa que seria composta pelos integrantes do PMDB da Câmara – notadamente Michel, Geddel, Moreira Franco, Henrique Alves e Eliseu Padilha – retrocedeu ao início da Presidência Lula, quando o grupo teria exigido cargos na Petrobrás e em outros órgãos em troca de apoio ao governo,  para neles praticar extorsão e outros ilícitos. Em verdade, o PMDB da Câmara já atuava como grupo especializado nestas práticas desde a era FHC.

Mas sejamos realistas. Tal como no impeachment de Dilma, a consistência jurídica das acusações é apenas um detalhe, agora com sinal trocado.  Para condenar Dilma, a demonstração de culpa era secundária. Para absolver Temer, também. Assim são as coisas aqui nos tristes trópicos. 

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247