Tabaré Vazquez revela a consciência estratégica que faltou aos governos do PT e à esquerda

"A atitude do presidente Tabaré é alentadora, porque observa-se no Uruguai a mesma escalada de eventos que ocorreram no Brasil nos últimos anos, em especial em 2013, e que culminaram na eleição fraudada do Bolsonaro", diz o colunista Jeferson Miola, em referência à decisão do presidente do Uruguai, Tabaré Vázquez, que demitiu seu ministro da Defesa, Jorge Menéndez, e autoridades da cúpula militar do país acusadas de terem se omitido diante da confissão de um ex-oficial sobre crimes cometidos durante a ditadura militar; "Pensar um projeto de poder, em especial 1 projeto contra-hegemônico de poder, sem tem a devida apreciação sobre o papel das Forças Armadas, é uma ingenuidade que não poderia ter sido repetida depois do golpe de 1964"

Tabaré Vazquez revela a consciência estratégica que faltou aos governos do PT e à esquerda
Tabaré Vazquez revela a consciência estratégica que faltou aos governos do PT e à esquerda

Pensar um projeto de poder, em especial 1 projeto contra-hegemônico de poder, sem tem a devida apreciação sobre o papel das Forças Armadas, é uma ingenuidade que não poderia ter sido repetida depois do golpe de 1964.

A burguesia é atavicamente conspirativa, anti-democrática, e as Forças Armadas desempenham-se na função de guardiões da ordem burguesa.

A atitude do presidente Tabaré é alentadora, porque observa-se no Uruguai a mesma escalada de eventos que ocorreram no Brasil nos últimos anos, em especial em 2013, e que culminaram na eleição fraudada do Bolsonaro.

Temas estranhos à longa tradição republicana do país vizinho saíram do porão sombrio e passaram a frequentar a paisagem pública, com muita semelhança com o processo acontecido no Brasil.

São temas como: a proliferação de igrejas neopentecostais, a histeria anti-corrupção, discursos incentivadores de ódio e intolerância, ativismo dos militares, defesa de intervenção militar, a guerra cibernética e a demagogia do outsider.

Ao vivo na TV 247 Youtube 247