Tarso Genro e a "ampla frente política"

Esquerda e centro-esquerda evidentemente terão de compor o seu núcleo estratégico

www.brasil247.com - Tarso Genro
Tarso Genro (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)


Em meados de outubro, um amigo gramsciano de Ribeirão Preto encaminhou-me um artigo com o seguinte comentário: “brilhante artigo de Tarso Genro, nosso último estadista, infelizmente exilado no extremo meridional deste pobre Brasil. Sugiro a leitura”.

Da leitura do artigo, intitulado “Só a esquerda íntegra unida, articulada com o centro democrático, salva a República!”, veio a ideia de convidar o ex-Prefeito de Porto Alegre e ex-Governador do Rio Grande do Sul para uma entrevista no Trilhas da Democracia sobre “sociedade e política”.

A entrevista que irá ao ar nos dias 10, 11 e 12 de dezembro, na Rádio Brasil de Fato, TV247 e TVT, mostrará aos ouvintes e espectadores do Trilhas as reflexões de um tipo raro, muito raro, de governante, a saber: o político militante/intelectual crítico.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Das inúmeras questões abordadas na entrevista, gostaria de sublinhar nesse pequeno texto a defesa que o ex-Ministro da Educação, Justiça e Relações Institucionais do governo Lula realiza da construção de uma “ampla frente política” que se nutra da experiência uruguaia da Frente Ampla.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Por um lado, pela “composição formal” que seja capaz de reunir partidos políticos, frações de partidos políticos, movimentos sociais e personalidades em geral, ou seja, uma estrutura que vá além dos partidos políticos sem, no entanto, prescindir destes últimos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Por outro lado, pela “composição substancial” que consiga agregar às forças políticas programáticas de esquerda e centro-esquerda o centro que se situa atualmente no campo democrático em função das posições abertamente autoritárias assumidas pelo governo Bolsonaro.

Uma “ampla frente política” que, eleito seu candidato presidencial em 2022, consiga costurar as rasgaduras do pacto constitucional de 1988 levadas a cabo desde o golpe de 2016, para, em seguida, fazer avançar um projeto de redução das desigualdades sociais e de reafirmação da democracia política.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Para tanto, esquerda e centro-esquerda evidentemente terão de compor o seu núcleo estratégico. Para tanto, porém, esquerda e centro-esquerda terão de aceitar a incorporação dos que, fora do seu campo político, desejam reconstruir a República destroçada por Temer, Bolsonaro et caterva.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email