Temer chama Exército para não cair

"Temer resolveu chamar o Exército para o seu lado e entregou Brasília aos militares por sete dias, por um decreto que assinou hoje e que faz parte de sua estratégia de se acorrentar à cadeira de presidente, que ele chamou de 'se quiserem, me derrubem'", diz o colunista Alex Solnik; "O objetivo principal não é proteger os prédios da administração ou seus funcionários, pois o decreto saiu depois que tudo já estava pegando fogo. E sim a si próprio e aos seus aliados dos próximos protestos pacíficos, como era para ser esse. E reprimi-los severamente. É um claro atentado ao direito de manifestação previsto na constituição"

"Temer resolveu chamar o Exército para o seu lado e entregou Brasília aos militares por sete dias, por um decreto que assinou hoje e que faz parte de sua estratégia de se acorrentar à cadeira de presidente, que ele chamou de 'se quiserem, me derrubem'", diz o colunista Alex Solnik; "O objetivo principal não é proteger os prédios da administração ou seus funcionários, pois o decreto saiu depois que tudo já estava pegando fogo. E sim a si próprio e aos seus aliados dos próximos protestos pacíficos, como era para ser esse. E reprimi-los severamente. É um claro atentado ao direito de manifestação previsto na constituição"
"Temer resolveu chamar o Exército para o seu lado e entregou Brasília aos militares por sete dias, por um decreto que assinou hoje e que faz parte de sua estratégia de se acorrentar à cadeira de presidente, que ele chamou de 'se quiserem, me derrubem'", diz o colunista Alex Solnik; "O objetivo principal não é proteger os prédios da administração ou seus funcionários, pois o decreto saiu depois que tudo já estava pegando fogo. E sim a si próprio e aos seus aliados dos próximos protestos pacíficos, como era para ser esse. E reprimi-los severamente. É um claro atentado ao direito de manifestação previsto na constituição" (Foto: Alex Solnik)

Temer resolveu chamar o Exército para o seu lado e entregou Brasília aos militares por sete dias, por um decreto que assinou hoje e que faz parte de sua estratégia de se acorrentar à cadeira de presidente, que ele chamou de "se quiserem, me derrubem".

O objetivo principal não é proteger os prédios da administração ou seus funcionários, pois o decreto saiu depois que tudo já estava pegando fogo. E sim a si próprio e aos seus aliados dos próximos protestos pacíficos, como era para ser esse. E reprimi-los severamente. É um claro atentado ao direito de manifestação previsto na constituição.

Algum áulico deve ter soprado em seu ouvido que, se conseguir parar os protestos vai diminuir a pressão sobre deputados e senadores, que assim poderão levar em frente a sua agenda de destruição de salários e direitos dos trabalhadores.

E se a agenda for em frente ele vai ganhar uma sobrevida, por mais que todo mundo tenha visto como ele se relacionava com o rei do gado.

Quem ateou fogo e botou pra quebrar – os "vândalos" como a Globo gosta de chamar - não foram ao trabalhadores do campo e da cidade que viajaram a Brasília de todas as partes do país e sim mascarados que ninguém sabe de onde vieram nem quem os trouxe, provavelmente provocadores.

Eles deram o pretexto a Temer para colocar o Exército nas ruas da capital, o que não acontecia desde a ditadura de 64. E, se colocou a tropa na capital, nada o impedirá de estender a medida a São Paulo ou Rio.

Não é difícil adivinhar que os movimentos populares não vão deixar de protestar, o que faz prever um futuro próximo de conflitos urbanos de proporções imprevisíveis.

Para Temer isso é bom. Qualquer assunto é melhor do que manchetes sobre Rocha Loures.

Conheça a TV 247

Mais de Blog

blog

Palocci é o delator coringa

Bastou a coisa apertar para o lado da Lava Jato que o Ministério Público Federal coloca Antonio Palocci no pau-de-arara e vaza alguma delação bombástica para O Globo.

Ao vivo na TV 247 Youtube 247