Temer desmonta política externa e põe Brasil na periferia do mundo

"Temer tem atuado na contramão das tendências geopolíticas mundiais. Focou todos seus esforços numa política omissa e submissa destinada a atender interesses estrangeiros, especialmente dos Estados Unidos. E uma das consequências foi a queda no fluxo do comércio mundial (exportações somadas às importações), atingindo em cheio nossa fragilizada economia", escreve o deputado federal Carlos Zarattini, líder do PT na Câmara

Temer
Temer (Foto: Carlos Zarattini)

O governo de Michel Temer tem se caracterizado por uma agenda de retrocessos que vai do desmonte dos direitos sociais e trabalhistas, desmantelamento do Estado, entrega do pré-sal, privatização de setores estratégicos da Petrobras até a desconstrução das políticas públicas de oportunidades que marcaram profundamente todas as ações dos governos do PT.

A política externa não segue caminho diferente. Temer tem atuado na contramão das tendências geopolíticas mundiais. Focou todos seus esforços numa política omissa e submissa destinada a atender interesses estrangeiros, especialmente dos Estados Unidos. E uma das consequências foi a queda no fluxo do comércio mundial (exportações somadas às importações), atingindo em cheio nossa fragilizada economia.

O Itamaraty, simplesmente, deixou de defender os interesses do Brasil. Um triste retrato da humilhação a que o país é submetido no cenário internacional é a frequente recusa de líderes mundiais de visitarem o Brasil. A chanceler alemã Angela Merkel visitou a Argentina, o presidente da Itália, Sergio Matarella, esteve em Buenos Aires e Montevidéu, e François Hollande, da França, visitou o Chile e a Colômbia. Nenhum deles sequer optou por uma escala no Brasil. Até mesmo o Papa Francisco se recusa a visitar nosso país.

E é bom que se diga que nas poucas vezes que Temer se arriscou em missões internacionais ficou evidente o constrangimento dos líderes mundiais ao governo ilegítimo e às suas atrapalhadas diplomáticas que envergonham o país. Em recente viagem à Rússia e à Noruega, por exemplo, uma missão feita sem qualquer planejamento ou estudo técnico, Temer amargou fracassos. Dentre eles, a decisão do governo da Noruega de efetuar cortes na faixa de 200 milhões de reais nos projetos de preservação ambiental na Amazônia. Esses valores são enviados para o Brasil para projetos de combate ao desmatamento na região.

O PT governou o país por 13 anos e nós, brasileiros, desfrutamos de protagonismo internacional histórico. Promovemos uma agenda internacional comercial e financeira focada na promoção do nosso desenvolvimento, gerando uma inédita internacionalização das empresas brasileiras. Ampliamos as relações com os mercados europeus, abrimos rota de relação com a África e consolidamos nossa participação nos Brics, grupo de países emergentes —Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, direcionando também nossa política externa às nações em desenvolvimento.

A verdade é que hoje estamos reféns das relações econômicas bilaterais com os EUA, fato que nos remete à fracassada política do governo Fernando Henrique Cardoso (1995-2002). E o efeito disso é uma economia dependente, pouco competitiva, concentrada nas exportações das chamadas commodities, bens agrícolas e minerais, e o enfraquecimento da nossa soberania nacional.

Nem a proximidade do atual governo com os norte-americanos foi capaz de impedir a recente decisão dos EUA de suspender a importação de carne bovina fresca, mostrando a fragilidade política dessa relação. Certamente, Temer foi pego de surpresa. Se prolongada essa interrupção, os efeitos na balança comercial poderão ser desastrosos, não pelos números, mas pelo efeito cascata, já que os americanos são considerados referência na importação de carne bovina “in natura”. Isso pode influenciar outros países importadores dos nossos produtos.

Somada a essa política externa equivocada temos a instabilidade do governo Temer, que acaba de ser alvo de graves denúncias de corrupção pela Procuradoria Geral da República. É um fato único na história do Brasil, pois é o primeiro presidente da República, no exercício do mandato, denunciado por corrupção passiva. Esse cenário vai contribuir para fragilizar ainda mais nossa política externa e a imagem do país no exterior.

Diante desse cenário de terra arrasada, o País é colocado cada vez mais à margem da comunidade internacional. A saída de Michel Temer é certa, apenas questão de dias. Esse governo acabou. Mas só a convocação de eleições gerais poderá colocar o Brasil de volta aos trilhos. Assim, vamos parar com o desmonte e o atraso do Brasil nas áreas política, econômica, social e na diplomacia, dando um fim à agenda de retrocesso imposta pelos golpistas.

Ao vivo na TV 247 Youtube 247