Temer premiou grandes empresas mas vetará Refis das Micro

"As micro e pequenas empresas são as que mais empregam no Brasil, respondendo por 52% dos empregos com carteira assinada e por 40% da massa salarial total do país, segundo dados do Sebrae. Mas Michel Temer, depois de aprovar um Refis para grandes empresas, que custará uma renúncia fiscal de R$ 259 bilhões em três anos (segundo a Unafisco), deve vetar hoje o programa de parcelamento semelhante para pequenas e micro-empresas", afirma a colunista do 247 Tereza Cruvinel; segundo Tereza, a diferença é o momento; "Para contentar sua base e garantir votos, Temer sancionou o Refis das grandes empresas na véspera da votação da segunda denúncia apresentada contra ele pela PGR"

Presidente Michel Temer durante cerimônia no Palácio do Planalto, em Brasília 12/07/2017 REUTERS/Adriano Machado
Presidente Michel Temer durante cerimônia no Palácio do Planalto, em Brasília 12/07/2017 REUTERS/Adriano Machado (Foto: Tereza Cruvinel)

              As micro e pequenas empresas são as que mais empregam no Brasil, respondendo por 52% dos empregos com carteira assinada e por 40% da massa salarial total do país, segundo dados do Sebrae.  Mas Michel Temer, depois de aprovar um Refis para grandes empresas, que custará uma renúncia fiscal de R$ 259 bilhões em três anos (segundo a Unafisco),  deve vetar hoje o programa de parcelamento semelhante para pequenas e micro-empresas.  A diferença é o momento:  Para contentar sua base e garantir votos,  Temer sancionou o Refis das grandes empresas na véspera da votação da segunda denúncia apresentada contra ele pela PGR.

                A equipe econômica chefiada por Henrique Meirelles defende o veto total ao projeto do Refis para as micro e pequenas empresas alegando que o resultado seria uma renúncia fiscal de R$ 8 bilhões para a União.  Renúncia fiscal é a especialidade do governo Temer, que já abdicou de impostos das petroleiras no valor projeto de R$ 1 trilhão para os próximos 20 anos, perdoou dívidas previdenciárias do agronegócio ao custo de R$ 15 bilhões,  abriu mão de R$ 5,7 bilhões devidos por estados e municípios e de  R$ 5 bilhões da indústria de informática, entre outras tantas bondades para com o grande capital.  Nestes casos, Meirelles não foi tão zeloso do equilíbrio fiscal, apesar do deficit de R$ 130 bilhões com que fechou o ano.  Se fosse menos generoso com o grande capital, ele e Temer poderiam agora socorrer as pequenas e micro empresas, que empregam mais e representam a sobrevivência de milhares de trabalhadores que são, na verdade, empreendedores individuais.  Ou seja, trabalham como pessoa jurídica.

                Agora, também,  não há denúncia a ser votada na Câmara. Danem-se os pequenos.

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Ao vivo na TV 247 Youtube 247