Temer quer privatizar a Eletrobras para sustentar a corrupção

A nova palavra de ordem do ilegítimo governo Michel Temer (PMDB) é ‘privatizar para sustentar a corrupção’ da quadrilha que tomou de assalto o Palácio do Planalto

A nova palavra de ordem do ilegítimo governo Michel Temer (PMDB) é ‘privatizar para sustentar a corrupção’ da quadrilha que tomou de assalto o Palácio do Planalto
A nova palavra de ordem do ilegítimo governo Michel Temer (PMDB) é ‘privatizar para sustentar a corrupção’ da quadrilha que tomou de assalto o Palácio do Planalto (Foto: Esmael Morais)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

A nova palavra de ordem do ilegítimo governo Michel Temer (PMDB) é ‘privatizar para sustentar a corrupção’ da quadrilha que tomou de assalto o Palácio do Planalto.

Dito isto, vamos a último do Tinhoso: ele quer privatizar a Eletrobras.

A “redução da participação da União” no capital da estatal visa arrecadar até R$ 20 bilhões, diz um comunicado do Ministério de Minas e Energia.

“Mais um anúncio escandaloso de um governo golpista, antinacional e corrupto. Vender a Eletrobras é crime de lesa-pátria!”, disparou o senador Lindbergh Farias (PT-RJ), líder da bancada petista no Senado.

O anúncio da intenção de privatizar a Eletrobrás ocorreu no mesmo dia, no caso hoje (21), em que se soube da suspensão do leilão da Cemig pela Justiça.

Michel Temer precisa arranjar R$ 159 bilhões para cobrir o rombo causado pelo golpe de Estado e, de quebra, sustentar a corrupção e a quadrilha que tomou de assalto o Palácio do Planalto.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email