Teremos, de novo, um Congresso golpista?

Colunista do 247, o cientista político Emir Sader compara o momento atual ao golpe de 1964 e teme que os parlamentares atestem um novo golpe contra a democracia brasileira; "Esta semana o Congresso será submetido a um novo desafio: ou promove o golpe ao tirar o mandato de uma presidenta eleita pelo voto popular, sem nenhuma acusação que o justifique, e passará à historia como um Congresso golpista, inimigo da democracia. Ou se oporá a assumir esse papel, dará um basta a essa tentativa espúria e expressará um compromisso com a democracia brasileira", diz Emir; leia íntegra

Colunista do 247, o cientista político Emir Sader compara o momento atual ao golpe de 1964 e teme que os parlamentares atestem um novo golpe contra a democracia brasileira; "Esta semana o Congresso será submetido a um novo desafio: ou promove o golpe ao tirar o mandato de uma presidenta eleita pelo voto popular, sem nenhuma acusação que o justifique, e passará à historia como um Congresso golpista, inimigo da democracia. Ou se oporá a assumir esse papel, dará um basta a essa tentativa espúria e expressará um compromisso com a democracia brasileira", diz Emir; leia íntegra
Colunista do 247, o cientista político Emir Sader compara o momento atual ao golpe de 1964 e teme que os parlamentares atestem um novo golpe contra a democracia brasileira; "Esta semana o Congresso será submetido a um novo desafio: ou promove o golpe ao tirar o mandato de uma presidenta eleita pelo voto popular, sem nenhuma acusação que o justifique, e passará à historia como um Congresso golpista, inimigo da democracia. Ou se oporá a assumir esse papel, dará um basta a essa tentativa espúria e expressará um compromisso com a democracia brasileira", diz Emir; leia íntegra (Foto: Emir Sader)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Em 1964 o Congresso se integrou ao golpe militar que instaurou o regime de terror contra a democracia e os democratas no Brasil. Ocupou a presidência, a entregou aos militares e referendou a todos os militares designados pelas FFAA para dirigir o pais. Os que se opuseram tiveram seus mandatos cassados, foram perseguidos, presos e vários deles mortos. Os outros seguiram dando cobertura à ditadura militar.

O Congresso foi sucessivamente castrado por reiterados processos de cassação do mandato dos seus deputados e senadores e seguiu aprovando sempre os nomes dos ditadores que a alta oficialidade das FFAA decidia que deveria dirigir os destinos do pais.

Esta semana o Congresso será submetido a um novo desafio: ou promove o golpe ao tirar o mandato de uma presidenta eleita pelo voto popular, sem nenhuma acusação que o justifique, e passará à historia como um Congresso golpista, inimigo da democracia. Ou se oporá a assumir esse papel, dará um basta a essa tentativa espúria e expressará um compromisso com a democracia brasileira.

O processo aparece revestido de justificativas que, nenhuma delas, se sustenta:

O governo seria corrupto, mas a presidenta nao é alvo de nenhum processo nesse sentido, enquanto que o presidente da Câmara é réu em vários processos, reconhecido como o politico mais corrupto do Brasil.
A acusação de gastos indevidos do governo, quando o próprio Congresso aprovou grande quantidade das chamadas "pautas bomba", que implicam em gastos do orçamento sem nenhuma utilidade social.
A acusação da situação economia ruim – que não justificaria nunca um impeachment – é totalmente inconsistente, considerando que o ex-presidente FHC entregou a Lula o pais na mais profunda e prolongada recessão que nossa economia conheceu, além do descontrole inflacionário de 12,5% ao ano e nunca foi objeto de tentativas de impeachment por essa razão.

Trata-se, por tanto, como o povo ja percebeu e expressa mediante o grito que se espalha por todo o pais, de um golpe. De uma reles tentativa de cassar o voto popular mediante uma maioria ocasional, obtida com argumentos inconsistentes e interesses inconfessáveis. Tanto assim que a tentativa de golpe é levado adiante por políticos acusados de corrupção, com processos no STF.

O Brasil não será o mesmo depois desta crise. Não é mais possível seguir governando com um sistema politico que se presta a todo tipo de barganha econômica e torna o pais ingovernável. Tampouco é possível que uma democracia seja submetida a processos autoritários execração publica de pessoas sem nenhum tipo de prova, pela aliança anti-democratica de setores do Judiciario, da PF e da mídia. A própria formação da opinião, publica, numa democracia, não pode ficar sujeita aos interesses e opiniões de poucas famílias, que usam seus meios de comunicação para falsear a realidade e atuar como partido politico golpista.

O Brasil sairá desta crise com um poder ilegítimo, produto de um golpe, condenado pela cidadania, ou sairá com sua democracia fortalecida e em processo de renovação. Resta que o Congresso decida de que lado ele pretende estar este momento: do lado do golpe ou do lado da democracia, do lado das oligarquias dominantes ou do lado do povo brasileiro.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247