Tereza Cruvinel e Marighella: resistindo à guerra contra o Brasil, jornalismo independente venceu uma batalha

O prêmio que ela, merececidamente, conquistou é também de toda comunidade que sustenta o jornalismo independente (indepedente porque não é sustentado por 1% daqueles que detém 50% da riqueza nacional)

www.brasil247.com - Tereza Cruvinel ao receber o Prêmio Comunique-se
Tereza Cruvinel ao receber o Prêmio Comunique-se (Foto: Reprodução)


Fui um dos finalistas do Prêmio Comunique-se, na categoria repórter de mídia escrita, juntamente com Patrícia Campos Mello, da Folha de S. Paulo, e Luísa Martins, do jornal Valor (Grupo Globo). Não venci, o prêmio foi para Luísa Martins. Mas fiquei muito contente com o troféu dado a Tereza Cruvinel, na categoria colunista de opinião.

Tereza mereceu o prêmio, que era disputado também por Miriam Leitão e Guilherme Fiúza. Senti-me também agraciado e explico por que. 

Tereza faz parte de um time de jornalistas que escolheram ficar ao lado do Brasil quando a mídia corporativa, que eu chamo de velha imprensa, começou a praticar o jornalismo de guerra.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Esse tipo de jornalismo é acessório de uma estratégia que procura usar o direito com o mesmo objetivo de tanques, caças, fuzis e granadas, no passado. O objetivo é derrotar adversários, quadros não alinhados aos interesses de grupos poderosos. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A expressão surgiu em 1975, em um ensaio de John Carlson e Neville Yeomans, Eles usaram o termo para definir uma tática em que a guerra dava lugar à disputa por leis: “um duelo de palavras em vez de espadas”. 

No Brasil, como vimos na Lava Jato, essa estratégia não teria êxito sem uma aliança com jornais, TVs e sites controlados por famílias milionárias, veículos porta-vozes do 1% que detém metade da riqueza nacional.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No passado, quando a guerra era travada com a força bruta, a reação ao golpe no Brasil se deu com a tática da luta armada — talvez equivocada, mas coerente com os instrumentos disponíveis. Hoje, o campo de batalha se dá nos tribunais e também no jornalismo. 

Por isso, quando vi Tereza subir ao palco do evento de premiação do Comunique-se e observei o olhar de admiração de Leonardo Attuch na mesa, lembrei-me do Marighella retratado por Wagner Moura no filme que estreou há pouco no Brasil. 

Era uma adversária do lawfare que se expressava ali, representando todos nós, os que praticam o jornalismo no espaço que já foi definido como “blog sujo”, e também os que fazem parte dessa comunidade, vocês, que aqui interagem, financiam e se organizam.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em 2016, quando o golpe contra Dilma Rousseff foi consolidado, o governo de Michel Temer tentou acabar com a comunicação independente (sim, independente, porque não é sustentada pelo 1% que detém 50% da riqueza nacional). Atacou a Empresa Brasileira de Comunicação (EBC), que havia sido criada por Tereza.

Em seguida, violando o Código Civil, cancelou unilateralmente os contratos com os na época chamados “blogs sujos”, que tinham leitores em quantidade expressiva, o que justificava a publicidade. 

Na época, os veículos que representam os interesses do 1% também tinham contratos de publicidade, em valores muito, mas muito maiores. Com estes, não houve violação do Código Civil, e os contratos continuaram e outros foram firmados, em valores ainda maiores. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Sem esses veículos, não teria havido reforma trabalhista (um golpe contra o trabalhador), e teto de gastos (que engessa o investimento na área social e preserva a remuneração dos rentistas).

Essa batalha do lawfare, eles perderam. No caso do 247, o que era um site virou também TV e quem sustentou essa ampliação foi o público, seja no financiamento direto ou na audiência, que gera remuneração através da publicidade programática, em que não há contato direto entre os veículos e as empresas, relação que garante a independência.

A narrativa dos “blogs sujos” prevaleceu. Hoje o mundo inteiro sabe que as jornadas de junho foram capturadas pela extrema direita e não há nada nelas para ser comemorada. 

Sabe também que o impeachment foi golpe, que a Lava Jato foi uma farsa, que a condenação de Lula foi política, que sua prisão também fez parte da estratégia de lawfare e que a eleição de Bolsonaro, em razão disso, foi também uma fraude.

Peço licença a Tereza para dizer que o troféu que ela, merecidamente, levou para casa é também uma conquista de todos nós. Parabéns a Tereza e a todos vocês, que garantem espaço para que jornalistas como ela continuem exercendo a sua vocação: contar histórias e fazer análises com credibilidade.

 

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email