Terra Arrasada

"As tragédias se sucedem, mas nem a força simbólica de uma nuvem negra sobre São Paulo parece ser suficiente para conter a marcha da insanidade", diz Leandro Fortes, do Jornalistas pela Democracia. Segundo ele, a situação não está relacionada apenas aos incêndios na Amazônia, mas também à venda da Embraer, a entrega da base de Alcântara aos EUA, ao desmonte do sistema de educação e pesquisa, entre outros pontos. "Cada vez mais, arde no peito a sensação de que nossa única chance é uma reação global a tanta destruição", diz

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Leandro Fortes, para o Jornalistas pela Democracia - As tragédias se sucedem, mas nem a força simbólica de uma nuvem negra sobre São Paulo parece ser suficiente para conter a marcha da insanidade.

As Forças Armadas parecem, simplesmente, não existir. Assistem, impávidas, a destruição gradual da nação, e não me refiro apenas à queima da Amazônia. A Embraer, orgulho da indústria aeronáutica, foi entregue aos americanos, da mesma maneira que, agora, a Base de Alcântara, no Maranhão, passou a ser um enclave americano em território brasileiro.

Comandado por um desqualificado, o Ministério da Educação está asfixiando as universidades e institutos federais, ao mesmo tempo em que destrói toda a estrutura de financiamento de pesquisas científicas do País.

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

No Palácio do Planalto, Bolsonaro faz declarações estúpidas em série para uma plateia de jornalistas servil e abúlica, sempre pronta a dar risadas das estultices do presidente. Reproduzem, duas décadas depois, os repórteres-codornas que seguiam o coronel Antonio Carlos Magalhães pelos corredores do Congresso Nacional, a quem bajulavam, de forma humilhante, em troca de migalhas de informação.

Cada vez mais, arde no peito a sensação de que nossa única chance é uma reação global a tanta destruição.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247