Todo imposto distorce preço

Todo imposto causa distorção sobre a economia. Nesse sentido, a simples ideia de que a tributação sobre movimentação financeira é danosa para a economia não faz sentido

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Dias atrás, ao criticar a possível volta da CPMF, o ex-ministro da Fazenda Maílson da Nobrega disse que a tributação sobre movimentação financeira, base de cobrança do imposto único, deve ser evitada porque causa distorção na atividade produtiva. Retomou o velho discurso dos críticos dessa forma de cobrança de impostos.

De passagem, cabe dizer que em relação à possível volta da CPMF o ex-ministro tem razão ao se colocar contra. É preciso combater qualquer elevação da carga tributária, representada pela criação de novos tributos ou pela majoração dos que estão vigentes. A CPMF só deveria ser aceita se fosse usada para substituir vários dos atuais impostos, como a Cofins, o INSS sobre folha de pagamentos, a CSLL, o Imposto de Renda das empresas e das pessoas físicas, entre outros.

Cumpre lembrar que a CPMF teve um lado positivo ao testar a eficácia de um imposto sobre movimentação financeira, que era então totalmente desconhecido. A experiência entre 1997 e 2007 comprovou que esse tipo de imposto é uma forma eficiente de arrecadação, com enorme potencial de geração de receita e de baixo custo. É um tributo justo, pois elimina a sonegação, fenômeno concentrador de renda nas camadas mais ricas da população. Deveria ser a referência para a reforma tributária.

Em relação à questão da distorção apontada pelo ex-ministro, cabe esclarecer que qualquer imposto tem impacto sobre a economia. O aspecto relevante nesse ponto refere-se à comparação entre o atual sistema tributário e como seria com um tributo sobre movimentação financeira. É preciso saber qual provoca menor impacto sobre a atividade produtiva.

A avaliação do efeito das duas formas de tributação vem sendo divulgada há anos e a mais recente está no capítulo dois do livro "Bank Transactions: Pathway to the Single Tax Ideal" (disponível aqui). O trabalho utiliza cálculo matricial e se baseia nas Contas Nacionais, apuradas pelo IBGE. São avaliados 110 setores da economia, considerando os seguintes tributos sobre a produção: ICMS, INSS patronal, IPI e ISS. Para gerar a mesma arrecadação desses três impostos e da contribuição ao INSS a alíquota do imposto sobre a movimentação financeira deve ser de 1,13% em cada lado das transações nas contas correntes. O resultado revela que o peso médio dos atuais tributos sobre os preços é da ordem de 33,18%. No caso do tributo sobre movimentação financeira o ônus é de 6,71%.

Repito que todo imposto causa distorção sobre a economia e que resta conhecer qual forma de tributação é menos impactante sobre ela. Nesse sentido, a simples ideia de que a tributação sobre movimentação financeira é danosa para a economia não faz sentido. Os atuais tributos causam mais impacto sobre a produção do que um imposto único. É importante compartilhar essas informações para que o país conheça essa forma inovadora e eficiente de tributação, cujos benefícios seus críticos insistem em ignorar.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247