Um continente encarcerado

Temos um continente encarcerado, com uma agenda sócio econômica regressiva à década de 1990, neoliberal, cerceado pelo poder onipresente do sistema judiciário e o aparato estatal ocupado por fantoches

Temos um continente encarcerado, com uma agenda sócio econômica regressiva à década de 1990, neoliberal, cerceado pelo poder onipresente do sistema judiciário e o aparato estatal ocupado por fantoches
Temos um continente encarcerado, com uma agenda sócio econômica regressiva à década de 1990, neoliberal, cerceado pelo poder onipresente do sistema judiciário e o aparato estatal ocupado por fantoches (Foto: Maister F. da Silva)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Como que no capítulo mais sombrio da série Stars Wars "O império Contra-ataca, depois de gozar de quase 50 anos de poderio quase absoluto sobre o continente latino americano os EUA acabam tendo que enfrentar o crescimento de uma base de resistência, antagônica aos seus interesses. Por persistência e capacidade de resiliência a esquerda latino-americana a partir de 1998 com Hugo Chávez Frias na Venezuela, logrou intentar uma avalanche de derrotas eleitorais aos aliados históricos do vizinho do norte.

Era como se o império tivesse cochilado por um instante e começássemos a escrever um novo capítulo da história dos povos de nossa américa. Ocorre que o império não cochila, menos ainda quando ameaçam seus dividendos. Enquanto dançávamos e brindávamos a cada nova vitória eleitoral em um país vizinho ou uma política pública que amenizasse a vida de uma família pobre, quando vibramos com a auditoria da dívida pública equatoriana chefiada pelo Ex-presidente Rafael Corrêa, quando Lula exportava para os países irmãos as empresas brasileiras e gerava renda e emprego, quando o Brasil era aplaudido em todos os continentes por estar acabando com fome em seu território, enquanto tudo isso acontecia o império tramava, sorrateiro.

Uma década e meia, um curto período para grandes mudanças no tempo histórico dentro dos marcos estabelecidos pelo sistema capitalista, os ricos seguiram ganhando muito, os pobres tendo melhoria de vida, capacidade de consumo e quase ou nenhuma formação política que os preparasse para o que estava por vir. Década e meia, tempo necessário para o departamento de estado norte-americano formar um time de elite do sistema judiciário latino-americano capaz de trabalhar em consonância com os parlamentos comprados pelo sistema financeiro e a grande mídia conservadora, e pôr em ação o plano de retomada do aparato estatal, tendo a Colômbia como fiel aliada durante o período de maturação da artimanha golpista.

Fernando Lugo foi a cobaia, ali experimentaram a fórmula e.... bingo, mais fácil que roubar bala de criança. O que sucede-se é um filme de terror que todos assistimos diariamente, impeachament, prisão de ex-presidentes, vice-presidente, renúncias, até chegar à cereja do bolo, Luis Inácio Lula da Silva, que o império sabe não é só mais um Da Silva encarcerado, é a maior liderança viva da América Latina, o único capaz de ameaçar seu plano a médio e longo prazo, o único capaz de dar o mínimo de unidade à esquerda brasileira e latino-americana, não à toa é o único que resiste amparado às massas de trabalhadores e trabalhadoras a essa cruzada de desligitimação do legado da esquerda. Tê-lo novamente chefiando o maior país da América Latina, seria a mais grave ameaça que o império poderia encontrar em seu caminho.

Hoje temos um continente encarcerado, com uma agenda sócio econômica regressiva à década de 1990, neoliberal, cerceado pelo poder onipresente do sistema judiciário e o aparato estatal ocupado por fantoches, legislando em nome de interesses escusos ao povo.

Ah, mas e a Odebrecht?

A Odebrecht é só uma empresinha tupiniquim, que quando o império se movimentou a colocou de joelhos, talvez se levante e caminhe abraçada ao imperialismo, é tão corrupta, quanto capitalista, tão capitalista, quanto corrupta.

Ah, mas ainda temos a Venezuela e a Bolívia resistindo.

Sim, é verdade. Mas sem o Brasil, sem Lula caminhando o continente perde liderança.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247