Um general na Vale será mais um erro do governo

"A privataria da Vale começou torta e continua torta", diz Alex Solnik, do Jornalistas pela Democracia; "Quem manda, hoje, nessa pizza – mezzo estatal, mezzo privada – é o governo militar de Jair Bolsonaro. A julgar pela rotina, deverá aproveitar o episódio de Brumadinho para colocar um general na presidência. Se fizer isso, vai errar; a Vale precisa ter no comando um presidente comprometido com o respeito aos direitos humanos e ao meio ambiente", afirma; "Em janeiro de 2012, levou o troféu de a pior empresa do mundo em direitos humanos e meio ambiente pelo 'Public Eye People's', premiação realizada desde o ano 2000 pelas ONG's Greenpeace e Declaração de Berna"

Um general na Vale será mais um erro do governo
Um general na Vale será mais um erro do governo
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Alex Solnik, colunista do 247 e membro do Jornalistas pela Democracia

Seguindo imposição estúpida do FMI, sintetizada no Consenso de Washington, que preconizava a venda de todas as estatais como solução para o desenvolvimento dos países emergentes, o presidente Fernando Henrique mandou leiloar a Vale, criada por Getúlio Vargas e colocada em ponto de bala por Eliezer Batista, o descobridor da rota Brasil-Japão.

A privatização da Vale foi para inglês (ou americano) ver. O martelo foi batido dia 6 de maio de 1997. Os novos donos – consórcio Brasil, liderado pela CSN de Benjamin Steinbruch - a compraram com dinheiro estatal, oferecido pelo BNDES. Um negócio de pai para filho. 

Foi uma pechincha jamais vista desde que o país se chamava Terra de Santa Cruz: apenas US$ 3.338.178.240 por 27% do capital total da empresa, antes pertencente à União, que representavam 41,73% das ações ordinárias (com direito a voto).

A pechincha – ou "privataria", como a rotulou o jornalista Elio Gaspari – só foi possível graças à avaliação da companhia feita por dois bancos internacionais. Um deles era o Merrill Lynch.

Por uma razão que até hoje muitos economistas não conseguem entender, os bancos escolhidos por FHC concordaram em avaliar a Vale apenas pelo critério de fluxo de caixa existente à época, descontado, não levando em conta o valor potencial de suas reservas de minério de ferro (que entraram no negócio por valor zero), capazes de abastecer o mundo pelos próximos 400 anos.

De lá para cá, a Vale cresceu absurdamente em faturamento e lucros, mas nunca deu bola para as condições de trabalho nem respeitou o meio ambiente.

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

Em janeiro de 2012, levou o troféu de a pior empresa do mundo em direitos humanos e meio ambiente pelo "Public Eye People's", premiação realizada desde o ano 2000 pelas ONG's Greenpeace e Declaração de Berna.

Foi a primeira empresa brasileira a "vencer" a competição, também conhecida como "Oscar da Vergonha", realizada por meio de votação pública.

Em segundo lugar ficou a japonesa Tepco, responsável pela operação das usinas nucleares de Fukushima, atingidas por um tsunami em março de 2011.

A privataria da Vale começou torta e continua torta. A companhia continua privada, no papel, mas o maior acionista, atualmente é a União, por meio de vários fundos de pensão estatais, tais como os do Banco do Brasil e da Petrobrás. Todos os governos que entraram mudaram o presidente.

Quem manda, hoje, nessa pizza – mezzo estatal, mezzo privada – é o governo militar de Jair Bolsonaro. A julgar pela rotina, deverá aproveitar o episódio de Brumadinho para colocar um general na presidência. Se fizer isso, vai errar; a Vale precisa ter no comando um presidente comprometido com o respeito aos direitos humanos e ao meio ambiente.

Aquela imposição do Consenso de Washington foi, anos depois, abandonada pelo FMI. Não funcionou. Não sei se o ministro Paulo Guedes, o privatizador, tem essa informação.

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247