PUBLICIDADE

Um Touro, um camarão, uma fome e uma elite

Por Cristine Nobre Leite

PUBLICIDADE

Cipó de Aroeira

Um Touro, um camarão, uma fome e uma elite

Por Cristine Nobre Leite

Um tempo de magra vaca
E de bezerro sem pasto
De ser humano nefasto
Que não sangra nem com faca
Um tempo em que a bruaca
Da fome é companheira
A B3 com sua zoeira
Faz pobre ver grande touro
Todo pintado de ouro
Uma afronta brasileira

PUBLICIDADE

Ainda como um pirão
Feito com boa farinha
Até provo uma galinha    
Wagner, um camarão
Um acarajé na mão
Para desespero da elite
Que não quer ninguém que a imite
Só ela deve ir luxando
O pobre está se alimentando?
Ele passa é do limite

E assim vamos vivendo
Vendo as incongruências
Na cabeça efervescências
Corpo pobre padecendo
Rico sem sair perdendo
Numa crise tão brutal
Pois o grande capital
Só trabalha nessa linha
Com uma elite todinha
Atacando o social

PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE