Uma alternativa ao empresariado parasita que suga a economia

"Acabou o tempo dos Roberto Simonsen e Ermírio de Moraes", disse o autor

Paulo Guedes
Paulo Guedes (Foto: Reprodução/GloboNews)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

A expressão coletiva que corresponde ao sentimento geral do empresariado brasileiro é a suprema imbecilidade. Vi o que foi a reunião oferecida pelo empresariado paulista a Paulo Guedes: 200, 300 idiotas de uma corte falida oferecendo aplausos ao ministro que os está guilhotinando pela política econômica mais estúpida que o país já viu em sua história. O que se festejou? Festejaram-se três anos de queda da indústria, 4% no último ano, sem a mais remota perspectiva de recuperação porque Guedes não tem um plano para isso. 

Empresários brasileiros e Guedes se equivalem. O paulista é ainda mais repelente, pois faz questão de agradar mais ao governo do dia. Articulado com banqueiros, com sua política infame de juros de aplicação estratosféricos, sobrevive bem na pessoa física à custa de dilapidar os trabalhadores e o Estado. Por  isso foi feita a reforma trabalhista, com amplo apoio deles e de sua assessoria criminosa, que fala hipocritamente em nome da nação, a fim de tirar dinheiro, sangue e suor do trabalhador em benefício dos novos senhores de escravos. 

Das consequências da política previdenciária, igualmente infame, já está dando conta o desarranjo total do INSS, sem falar dos conteúdos da nova lei de ataque direto aos pobres. Mas querem mais. O apetite da Fiesp e de seu presidente fanfarrão é insaciável. A propósito, assim como o presidente da Firjan, no Rio, nenhum dos dois são industriais ou mesmo empresários. São típicos pelegos do lado do capital. E a rigor nem se pode dizer que é capital porque capital produtivo não é isso que estamos vendo no Brasil, a não ser entre pequenos. 

O país reclama uma política de desenvolvimento que atenda a interesses dos capitalistas e dos trabalhadores. É o mínimo que se pode esperar de um país que se diz capitalista. Contudo, estamos sendo governados por um tecnocrata falastrão que nada sabe de economia a não ser os clichês comuns dos neoliberalismo. Diante disso, levados como ovelhas ao matadouro por uma assessoria econômica interna mais preparada para aplaudir do que para orientar, estamos rolando ladeira abaixo com a cumplicidade dos industriais paulistas. 

Seriam todos eles? Sim, até onde eu saiba, são todos. Acabou o tempo dos Roberto Simonsen e Ermírio de Moraes. Procurei ontem um empresário de empresa construída dinheiro do povo (Fundo 157), para consultá-lo sobre a possibilidade de apoiar um movimento social pela retomada da economia.  Recusou-se liminarmente. O que entendi é que está muito confortável na posição de uma empresa protegida contra a extorsão dos juros e da queda da demanda, nesse caso devido a exportações, sem necessidade de crescimento interno.

Assim como outros empresários, este também tem pretensões políticas. Mas já é hora, no Brasil, de repelir da política empresários que fazem de seus negócios um instrumento exclusivo de ganhos próprios, sem o sentido genuíno do capitalista voltado para o crescimento da empresa, e não de sua riqueza pessoal. É disso que vem o atraso relativo do país em relação aos Estados Unidos e outros países europeus. O que se chama aqui de empresário é um propagador da falácia de composição: mata-se o salário, e mata-se junto o consumo. 

No plano macroeconômico a situação ainda é pior. Abraçando a agenda estúpida de Guedes, o empresariado quer reduzir a carga tributária de 34% do PIB para 28%. A pergunta é: quem vai pagar as escolas públicas , as universidades e os hospitais? Será que não percebem que a agenda minimalista dos Estados Unidos, com toda a sua riqueza, está criando sérios embaraços para o combate ao coronavírus?  E lá ainda existe um grande sistema de saúde (NHS) que resistiu a estupidez da privatização, sendo que aqui é atacado por privatistas. 

Quanto à privatização, tornou-se um plano ridículo, só subsistente na cabeça ideológica de Guedes. O setor privado está devolvendo várias rodovias privatizadas e agora um aeroporto (Natal), abrindo uma vereda para outros. Claro, a economia afundou e continua afundada. Qual empresário privado vai sustentar um negócio sem demanda? Se alguém tem dúvida, pergunte à Fiesp, à Firjan e à CNI. É possível que tenham uma resposta. Mas não venham dizer que a saída é pela reforma tributária e a reforma administrativa. Isso é idiotice. 

Entretanto, as pessoas que não querem entregar o Brasil, definitivamente, a essa corja devem começar a pensar em alternativa. Se o capitalismo selvagem que está aí não nos serve, cabe pensar numa solução democrática: comprar o controle das empresas de empresários parasitas e entregá-lo a um corpo profissional   nomeado por acionistas com ações pulverizadas no mercado, um corpo técnico permanente e representação de trabalhadores. Há estudos nesse sentido nos Estados Unidos. Aqui, isso poderia ser iniciado com a conversão em ações de empréstimos de bancos públicos como BNDES, BB, CEF e Banco do Nordeste.
 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247