Uma dúzia de Queirogas não vale um Jatene

Interessante imaginar o que teria acontecido ao país se tivéssemos Jatene no comando da Saúde durante a pandemia e comparar seu grau de conhecimento da área e as bandeiras que carregava com tudo que nos legaram homúnculos públicos como Eduardo Pazuello e Marcelo Queiroga

www.brasil247.com - Paulo Henrique Arantes e Adib Domingos Jatene
Paulo Henrique Arantes e Adib Domingos Jatene (Foto: Ricardo Bastos)


Adib Domingos Jatene não carregava bandeiras partidárias, nem se posicionava em períodos eleitorais, o que pode ser interpretado como murismo. Mas é fato que o ilustre cardiologista tinha prestígio suprapartidário: foi ministro da Saúde de Collor e Fernando Henrique, e ajudou Lula a lutar pela manutenção da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira, a famigerada CPMF. Foram derrotados, como se sabe.

A última entrevista do ilustre cardiologista foi a este jornalista, em setembro 2014 – ele faleceria dali a dois meses. Interessante imaginar o que teria acontecido ao país se tivéssemos Jatene no comando da Saúde durante a pandemia e comparar seu grau de conhecimento da área e as bandeiras que carregava com tudo que nos legaram homúnculos públicos como Eduardo Pazuello e Marcelo Queiroga.

Na conversa de sete anos atrás, Jatene explicou a este repórter que a Constituição de 1988 dividiu os pacientes em dois grupos – os que possuíam e os que não possuam plano de saúde. Os que tinham convênio passaram a utilizar hospitais que não atendiam os que não tinham, e assim verificou-se um deslocamento qualitativo: a liderança que antes era dos hospitais públicos, dos hospitais universitários, passou para os hospitais privados. Palavras dele: “Hoje, quem comanda a medicina, quem incorpora a alta tecnologia, são os hospitais privados, tanto que as autoridades importantes, quando precisam, vão para hospitais privados”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Claro, ainda sobrevivem algumas “ilhas” públicas, como o Incor, do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, que Jatene ajudou a criar, um dos poucos que, em São Paulo, concorrem em excelência com os particulares Albert Einstein e Sírio Libanês.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Voltando à Carta de 88, seu legado alvissareiro foi ter acabado com a figura do indigente - todos passaram a ter direito à saúde. A responsabilidade do Estado foi extraordinariamente ampliada, porém não houve aumento correspondente de recursos, daí a deterioração do SUS e o poder exagerado hoje detido pelas operadoras de saúde e pelos hospitais privados, que cooptaram os melhores quadros profissionais e adquiram tecnologia de ponta.

Na época do lançamento do programa “Mais Médicos”, Jatene posicionou-se como, digamos, um apoiador crítico. Ele não enxergou o projeto da presidenta Dilma Rousseff como uma solução, mas um paliativo contra a falta de médicos em algumas regiões do país. “Eu não tenho nada contra médico estrangeiro. O problema é que a Escola Latino-Americana de Medicina, de Cuba, dá conhecimentos para atendimento básico, primário, e muitos deles não têm autorização para exercer medicina plena em Cuba. Mas, de qualquer forma, eles exercem um papel importante em lugares aos quais médicos brasileiros não aceitam ir”, disse-me.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ontem como hoje, faculdades de medicina são abertas em lugares desprovidos de número de médicos suficiente para atender à demanda da população, o que é louvável. Só que, ao se formarem, os novos médicos vêm buscar trabalho no Sudeste. Jatene sugeria que o recém-formado fosse obrigado a permanecer dois anos em residência na localidade em que estudou, supervisionado pela escola, e prestando atendimento básico à população.

Quando entrevistei Adib Jatene, os planos de saúde de baixa cobertura eram relativamente baratos – ainda o são. Para possuir atendimento completo, um convênio de qualidade superior, é preciso pagar uma fortuna. Com o SUS operando milagres dado o orçamento canhestro que lhe é atribuído, aprofunda-se a desigualdade. Jatene tinha tal percepção: “Como se promove desigualdade? Você promove desigualdade quando os que geram a renda se apropriam dela. Quando criamos a CPMF, que deveria ser totalmente destinada à saúde, vimos que, dos 100 maiores contribuintes, 62 nunca tinham pago Imposto de Renda. Isso significa que eles se apropriavam dessa renda. Se você conseguir fazer com que os que geram a receita paguem correspondentemente, talvez a situação se resolva”.

O cardiologista e ex-ministro da Saúde gostava de destacar que a maior alíquota do Imposto de Renda no Brasil era 27% - a mesma de hoje. “O sujeito diz que na Suécia tudo funciona, mas a alíquota na Suécia é 60%. Aí dizem: ‘lá o sujeito paga porque o serviço é bom’. Não! Lá o serviço é bom porque as pessoas pagam”, indignou-se. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Encerramos o papo, do qual saí melhor do que entrei.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email