Uma questão não abordada no caso "a cabeleira do Renan"

Brasília tem problemas sérios de atendimento médico. Por que não mandar para lá um lote de cubanos?

O assunto da cabeleira do Renan tem um aspecto que ainda não foi explorado.

O da carência de atendimento médico na Capital da República, especialmente em se tratando da medicina capilar, a especialidade que mais aflige a categoria dos homens.

Um senador da República - e mais do que isso, o presidente do Senado Federal, ter de se deslocar de Brasília à Maceió, nas Alagoas, para implantar meia dúzia de fios no seu topete, é a demonstração cabal da insuficiência e/ou ineficiência de todo o sistema médico brasiliense.

Faltam médicos em Brasília!

Pelo menos é o que se pode concluir da atitude corajosa do senador Calheiros de requisitar um avião da FAB para resolver o problema no seu torrão natal.

Dirão os eternos conformistas: mas não se tratava de um caso de urgência. Ele poderia esperar e consultar um médico de Brasília.

Qual médico? Quem?

Se Brasília tivesse uma estrutura confiável no aspecto saúde não teríamos essa romaria de autoridades doentes, ou supostamente doentes, até o Sírio-Libanês, em São Paulo.

Quando eu morava em Brasília a situação era outra, muito diferente.

Eu fui operado de catarata no HBO e até hoje, mais de uma década depois, todos os oculistas que eu consulto dizem: "Puxa...Sua catarata ficou excelente, onde você operou?" Eu respondo sempre: "Foi um japonês que era uma fera. Metade de Brasília fez catarata com ele".

Bom, outros tempos, ou "altri tempi", diria o Mino Carta.

Examinemos agora a questão da urgência.

Se o senador Renan achava urgente completar sua vasta cabeleira, é porque era urgente, pô. O senador é quem sabe quando uma coisa pode ou não ser adiada.

Imagine o Brasil passar três, quatro, cinco dias, sem ter no leme do Senado Federal a firmeza de um Renan Calheiros para tomar decisões.

O País ficaria à deriva, nau sem rumo, folha de outono ao sabor do vento.

E para aqueles que acham que eu apenas faço críticas sem propor soluções, no caso, eu tenho uma solução: enviar para Brasília um nutrido lote de médicos cubanos.

Problemas de alojamento - já que os cubanos não poderiam pagar o que o mercado brasiliense exige, inexiste.

Basta que se aprove, na base do rolo compressor como soe acontecer, uma emenda autorizando os médicos cubanos a residirem nas dezenas de apartamentos vagos - ou melhor, abandonados - pelos parlamentares, sejam senadores ou deputados.

Temos vários nessa situação na Capital Federal.

Os médicos cubanos iriam adorar. Os apartamentos, chamados de "funcionais", têm 4 dormitórios, de modo que poderiam abrigar um contingente razoável de doutores, na base de 2 por apartamento.

Outra solução - sempre para aqueles que criticam as minhas críticas, seria simplesmente o Legislativo dissolver seus departamentos médicos, e substituí-los por médicos cubanos.

Aos demitidos seria assegurado o salário integral, como se na ativa estivessem, o que evitaria eventuais futuros problemas com a Justiça.

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Ao vivo na TV 247 Youtube 247