Unicórnio

Seguem o Mito encarnado, desprezam evidências de que o país está sendo destroçado, acreditam na miragem da recuperação econômica, entorpecem-se com as mentiras que compartilham nas redes sociais

O problema principal não é o Whatsapp, mas o despreparo estratégico
O problema principal não é o Whatsapp, mas o despreparo estratégico
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

As redes sociais da Direita estão em polvorosa. Muito para além dos robôs e dos mercenários contratados para disseminar mentiras no WhatsApp, por exemplo, existem milhares de grupos de gente ociosa que se obstina em compartilhar inverdades e vultuosas provocações de comportamentos odiosos. As mais frequentes nos últimos dias podem ser agrupadas em dois conjuntos temáticos. Os que difundem o ódio ao Papa, integrante de uma suposta articulação comunista internacional, e os que pinçam nos noticiários informações que comprovariam a deliberada conspiração dos meios de comunicação para prejudicar os Bolsonaros e a maneira de existir em sociedade que eles representam.

A eficiência destes grupos de WhatsApp em conformar um delirante senso-comum impressiona. Não se trata apenas de normalizar aberrações. Antes, configura-se um perverso mecanismo de construção social da realidade, de uma realidade que apenas os iniciados no bolsonarismo conseguem perceber. Isso explicaria, em parte, a impossibilidade de diálogo racional com eles.

Presunçosos, seus aderentes desqualificam todas as tentativas de argumentação em sentido diverso, mesmo quando confrontados pelas evidências.

Há também os prepotentes, de dois tipos. Os que integram a Direita Concursada (dentro dela, os integrantes do aparato repressivo estatal) e os que trafegam no território dos amigos imaginários (nas igrejas e em templos de compartilhamento de espiritualidades) deduzindo do sagrado e de esoterismos diversos e suas forças normativas as certezas de que podem impor aos demais suas íntimas convicções de forma tirânica, imunes à crítica alheia. Em ambos grupos, diferentemente do que ocorre com os presunçosos, seus integrantes exercem algum tipo de poder sobre os demais, seja econômico, seja repressivo, seja religioso.

Presunçosos e prepotentes, ausentes freios democráticos ou focinheiras institucionais a limitar-lhes, cedo se convencem de que são onipotentes quando encontram um líder a quem admiram e com quem se identificam.

E os onipotentes, naturalmente, tudo podem: desde afrontar a Constituição declarando a ilegalidade de greves até agredir diretamente profissionais de imprensa com insinuações de natureza sexual. A realidade mítica em que vivem valida condutas presunçosas, prepotentes e onipotentes que visam, antes de tudo, destruir quem resista ao delírio coletivo em que se inserem.

Seguem o Mito encarnado, desprezam evidências de que o país está sendo destroçado, acreditam na miragem da recuperação econômica, entorpecem-se com as mentiras que compartilham nas redes sociais.

Resulta inútil tentar demonstrar a impossibilidade lógica da existência de amigos imaginários a quem os tem, assim como não adianta esfregar na cara dos bolsonaristas a realidade que eles, acometidos de cegueira córnea, não conseguem ver. Não querem, não precisam e não gostariam de enxergar, convictos em suas presunções, em suas prepotências e em suas inexistentes onipotências. A fé tem disso, integra a dimensão mítica, delirante, lisérgica, que, para quem acredita, deixa de ser mito para se configurar em realidade, tão ou mais real que aquela com a qual nos deparamos ao abrir uma janela ou ao caminhar pelas ruas. O unicórnio existe, qualquer de nós é capaz de descrevê-lo. Existe como mito, é real.

A realidade inventada, construída socialmente por intermédio das redes sociais da Direita, unicórnica, compete com a realidade concreta, áspera, rude, material, histórica em que estamos todos, inclusive eles, imersos. O mito para os bolsonaristas é real e desejado, por identificação narcísica. O real, para nós, é incompatível com o mito e com as atitudes presunçosas, prepotentes e falsamente onipotentes, como a liminar que proíbe a greve dos petroleiros e os ameaça com sanções disciplinares, como a agressão injustificada a jornalistas que ousam investigar e descortinar a realidade concreta. Vivenciamos a impossibilidade - temporária por ser histórica - de diálogo e de conexão entre realidades paralelas.

Wilson Ramos Filho (Xixo), doutor em direito, professor na UFPR.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247