Van Gogh e Kurosawa contra Bolsonaro

"A música, o riso, a fraternidade perante a beleza do ser humano criado na infinitude da arte mostra que a espécie também reage. E que – quem sabe – desta vez o fascismo não passará!", diz o ex-governador do Rio Grande do Sul Tarso Genro

Van Gogh e Kurosawa contra Bolsonaro
Van Gogh e Kurosawa contra Bolsonaro (Foto: Marcelo Camargo - ABR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Os sonhos são uma metáfora da alma? Ou propostas de sentido para os indivíduos imobilizados pelas negações da vida? Talvez sejam ambos os estados que se completam, negam ou desmentem – um ao outro – para nos abrir caminhos na busca de algumas luzes nas escuras esquinas da História. Mas, pesadelos, sabemos todos o que é. Basta olhar o cenário de bestialidade que vivemos, imprevisto e letal, no qual um Presidente que recomendou matar adversários, estimula que pessoas se armem e as crianças aprendam a atirar. E as mesmas instituições do Estado de Direito, que depuseram  uma Presidenta honesta,  permaneçam silenciosas na solidão do seu medo.

Nos  filme “Sonhos” do grande Akira Kurosawa (199O) a dura distância que separaria a vertigem da arte daquilo que é a lógica da vida dissolve-se. Esta dissolução é uma armadilha do espírito para que uma obra de arte possa acontecer. É como um poema de Lorca que diz que “a tarde cai desmaiada nas coxas dos cavaleiros”, fundindo a arte e a vida. No filme “Sonhos” a arte e a vida se integram num turbilhão de beleza, virtude, cor e prazer de viver.

Assim, o jovem pintor que procura o Mestre Van Gogh dentro da pintura – já na obra do filme “Sonhos”-  se aproxima do grupo de lavadeiras sob a ponte em que Van Gogh supostamente passou, perguntando a elas se o viram. Elas dizem que “sim”, que ele acabou de passar, mas que o viajante deve ter cuidado, já que Van Gogh “acabou de sair do Hospício”. E elas riem o riso livre que se projeta no quadro de Van Gogh, no qual o ritmo das cores e a certeza de cada traço não esconde, mas revela a solidez da vida presente.

Percorrendo então cada uma das pinturas do Mestre, o visitante sobe a ladeira do “Campo de Trigo”, passa pelos “Corvos” e fala com Van Gogh. Este – já instalado para criar – pergunta ao jovem pintor que lhe segue, porque ele não está pintando?”  Van Gogh segue falando e acaba lhe dizendo que, em determinadas circunstâncias de beleza, “como num Sonho, a cena sozinha se pinta para mim”. Ligados como dois gigantes siameses da alma de toda a Humanidade, Van Gogh e Kurosawa estarão presentes na vida de todos os grandes criadores que lhes sucederem.

A “entrada” num sonho é um portal  também da grande política. Não só da arte. Com a diferença todavia que as duas possibilidades da razão na modernidade política – diferentemente da arte – podem ser expressas pela razão perversa, supostamente “científica” do Campos da Morte como no sacrifício humano das utopias revolucionárias da igualdade e da solidariedade humanista.

Sabem isso e souberam Mandela, Lula, Churchill – combatendo o nazismo – e Roosevelt lutando contra a fome na crise 29. Sabem Che Guevara – imolando-se na Bolívia dos generais traficantes Tiradentes, Cuhautemoc, a “criar sobre o braseiro que o mata uma rosa de ouro e prata para a altivez mexicana”. Sabe hoje – já numa racionalidade perversa – o aventureiro direitista Nigel Farage, que cresceu no Brexit inglês com seu nacionalismo rasteiro e colonialista, como Bolsonaro cresceu aqui. Lá com a força direta do corporativismo empresarial, aqui com a tolerância ativa da mídia tradicional, somada à empáfia liberal que rejeita os pobres e os desesperados da exclusão.

Sabe Macron, que cresceu na França como socialdemocrata e após tornar-se um liberal migrou para um pesadelo sem o Van Gogh das lavadeiras encantadas. As que lhe explicariam que é somente na arte – jamais na política – que as paisagens podem “pintar-se por si mesmas”, pois na arte a perversão racionalista e materialista vulgar pode ser sufocada pelo busca pensada de um mundo de iguais.

O “Le Monde” dos dias 22 e 23 de maio mostra que na política não basta vencer as ladeiras para encontrar os sonhos. O Presidente Macron, surpreendendo seus adversários à esquerda e à direita, chegou ao Palácio Eliseu vitorioso, mas não sabe mais o que fazer do poder que as urnas lhe concederam. Foi pego na armadilha de combinar “modernização democrática” – ou seja menos controle social do Estado – com reformas neoliberais e por isso não tem mais base política para sustentá-las. Contra a sua vontade já ascende um nacionalismo anti-europeu – pela direita – ameaçando a pátria da razão e das luzes.

A burguesia francesa dividida, os trabalhadores divididos, as classes médias divididas,  os imigrantes vitimados e os bancos privados dando as cartas no jogo da integração européia, obrigam Macron a  jogar um outro jogo: trata-se de buscar oxigênio no que os aliados do Presidente chamam de uma esquerda “macroniamente compatível”, para lhe apoiar e tentar unir à França ao destino alemão.

O programa ilusório de Macron – sedutor das massas na eleição presidencial – já foi abatido pelos coletes amarelos de todas as origens e hoje a sua ousadia é apenas mitigar o “brexit” da arrogância inglesa para simular a proteção dos traços mínimos do Estado Social em crise. Macron é o triste final da socialdemocracia clássica na Europa e Nigel Farage poderá ser o trágico começo contemporâneo do fascismo inglês com poder de voto.

A Itália de Salvini, que acaba de decretar (“Le Monde”, 22 de maio) o fim da proteção humanitária dos barcos de imigrantes com crianças e velhos -jovens e adultos de todas as misérias- entra num roteiro mais delirante do que de Macron: o caminho – aponta Salvini – é negar socorro aos barcos em perigo e deixar que o mar trague os deserdados e miseráveis. Assim como Bolsonaro é o insano das armas, Salvini é o fascista ilustrado da razão perversa.

No “Atelier des Lumieres” em Paris, todavia, sei que se repete o sonho de Kurosawa. Nas enormes paredes do atelier, nos seus tetos, no seu chão, sobre as roupas das pessoas, sobre a face das crianças de todas as cores e dos jovens de todas as idades, um banho de luz projeta em todas as direções -e em sequência- dezenas de quadros de Van Gogh. É como se os humanos habitassem num sonho absoluto de cor e fantasia e passassem fazer parte dos quadros do Mestre. As crianças se movimentam encantadas, tomam as luzes com as mãos e com todos os poros da sua humanidade pura: a música, o riso, a fraternidade perante a beleza do ser humano criado na infinitude da arte mostra que a espécie também
reage. E que – quem sabe – desta vez o fascismo não passará!

 

 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247