Venda da NTS mostra que dinheiro não tem pátria e muito menos ideologia

Os problemas não estão limitados ao “negócio” da NTS. Vendas de ativos como Carcará, Liquigás, TAG e BR Distribuidora e muitos outros estão na mesma linha. Tudo feito para distribuir dividendos aos acionistas estrangeiros, como mostra o Plano de Negócios da companhia

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

“Esquerda e direita, socialistas e capitalistas, desenvolvimentistas e neoliberais, estão juntos e misturados quando o objetivo é faturar. Não importa de onde ou de quem”  

INTRODUÇÃO 

O objetivo deste artigo é mostrar, principalmente àqueles que assumem posições ideológicas, a favor e contra características políticas adotadas pelos diversos países (capitalistas, socialistas, comunistas etc) que esquerda e direita, socialistas e capitalistas, desenvolvimentistas e neoliberais, trabalham juntos e misturados quando o objetivo é faturar. 

Não importa de onde ou de quem. 

Em recente nota publicada em seu site a Associação dos Engenheiros da Petrobrás – Aepet, denunciou as perdas para a Petrobrás com a venda da Nova Transportadora do Sudeste – NTS, rede de dutos de distribuição de gás, ocorrida no início de 2017, conforme link a seguir: 

https://www.aepet.org.br/w3/index.php/2017-03-29-20-29-03/cartas-da-aepet/item/5401-nova-transportadora-do-sudeste-nts-privatizacao-lesiva-e-reestatizacao 

Passados mais de 3 anos de fechamento do negócio e utilizando dados publicados pela nova empresa foi possível verificar que só com este “negócio” a Petrobrás vai perder mais de R$ 15 bilhões. Ou seja, mais do dobro do valor da corrupção apurado pela operação Lava-Jato e registrado pela empresa (R$ 6 bilhões) 

OS COMPRADORES

A NTS foi comprada por um Fundo de Investimento em Participações (FIP) liderado pela Brookfield Infrastructure Partners (BIP) do Canadá, que tem como sócios gigantes do mercado financeiro como as americanas Vanguard e Fidelity. 

Com participação da British Columbia Investment Manegement Corporation, gestora de recursos de fundos de pensão de funcionários públicos canadenses. 

Com participação da GIC Private Limited, empresa criada em 1981 para administrar as reservas estrangeiras de Cingapura. 

E também com participação da Capital Corp. (subsidiária da China Inestment Corporation) fundo soberano chinês. 

Vejam que temos juntos num mesmo negócio, capitalistas, socialistas e comunistas. 

Todos unidos em um butim mirabolante que vai render mais de 45% ao ano (vide estudo da Aepet) com risco zero. 

Tudo garantido e sustentado pela nossa Petrobrás. 

Estas empresas defendem os seus negócios e os interesses de seus países. Não podemos questionar pois é o dever de cada um.

Mas fica a pergunta : quem defende o Brasil ? 

Vejam que interessante, a China Investment Corporation foi criada em 2007 com US$ 200 bilhões de recursos das reservas cambiais chinesas. Hoje tem mais de US$ 1 trilhão investidos, sendo o segundo maior fundo soberano do mundo , superado apenas pelo fundo norueguês. 

Conta com consultores em todo o mundo sendo que no Brasil é assistido pelo Sr. Jorge Paulo Lemann, como vemos no quadro a seguir, extraído do site do grupo: 

Mas quem é Jorge Paulo Lemann ? Talvez os petroleiros não saibam. 

Jorge Paulo Lemann é um economista e empresário brasileiro que , no ranking da revista Forbes, até 2017 era o homem mais rico do Brasil e a 22ª pessoa mais rica do mundo, com um patrimônio estimado em 38,7 bilhões de dólares. 

A Ambev, dona de cervejarias, é uma das suas principais participações societárias. 

Um super capitalista que defende interesses de um fundo chinês. 

O fato é que hoje, apesar da liderança da Brookfield, o nome de presidente da NTS é Wong Loon. 

O líder chinês Deng Xiao Ping, sucessor de Mao Tse Tung, e promotor da abertura da economia chinesa, sempre dizia : “Não importa cor do gato, contanto que ele cace o rato” 

https://diariodopoder.com.br/opiniao/nao-importa-a-cor-do-gato-contanto-que-ele-cace-o-rato  

ITAUSA  

Logo após a assinatura dos contratos em abril de 2017, o FIP transferiu, sem nenhuma justificativa, 7,65% de participação ao grupo Itausa. 

O que teria feito o Itausa para merecer este benefício? 

Um negócio fantástico com retorno de 45% ao ano 

Fora do contexto mas é bom lembrar a participação do Itausa primeiro como representante da própria Petrobrás na venda da Liquigás para a Ultragás em 2017. Negócio concluído por R$ 2,2 bilhões,  porém desfeito pelo CADE. 

Depois comprando esta mesma Liquigás em parceria com a Copagaz por R$ 3,7 bilhões em 2019. 

A participação do Itausa nestes dois “negócios” (NTS e Liquigás) não foi um investimento e sim uma aplicação financeira e encontram-se hoje registrados no balanço do banco como “ativos disponíveis para a venda” 

Sobre este assunto escrevi dois artigos, um em fevereiro e outro em outubro de 2017 com o mesmo título “Itau vai lucrar muito com venda de ativos da Petrobrás” que podem ser vistos nos links a seguir: 

http://www.asmirg.com.br/noticias/2017/02/itau-vai-lucrar-muito-com-venda-de-ativos-da-petrobras/  

https://www.aepet.org.br/w3/index.php/conteudo-geral/item/845-itau-vai-lucrar-muito-com-a-venda-de-ativos-da-petrobras 

CONCLUSÃO 

Os problemas não estão limitados ao “negócio” da NTS. Vendas de ativos como Carcará, Liquigás, TAG e BR Distribuidora e muitos outros estão na mesma linha. 

Tudo feito para distribuir dividendos aos acionistas estrangeiros, como mostra o Plano de Negócios da companhia. 

Ou seja, os estrangeiros compram os ativos de altíssimos retorno e ainda recebem parte do dinheiro investido em dividendos distribuídos pela própria Petrobrás. . 

“UM PAÍS CUJO POVO, POR FALTA DE INFORMAÇÃO, NÃO DEFENDESEUS PRÓPRIOS INTERESSES, SE TORNA ESCRAVO” 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247