Vertigem tucana

"O filme de Petra gerou uma onda de histerismo dentro do bolsonarismo e conseguiu a proeza de resgatar, lá do fundo da lixeira da História, o PSDB", afirma Leandro Fortes, do Jornalistas pela Democracia. "Ressentidos, os tucanos partiram para a ironia agressiva contra Petra, apavorados com a exposição que, a partir de agora, os canalhas do partido terão, mundo afora"

(Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Leandro Fortes, do Jornalistas pela Democracia

Mais do que um documentário, "Democracia em vertigem", de Petra, é uma peça de resitência política que, agora, ganhou o mundo. 

Enquanto esteve circunscrito à esfera de espectadores nacionais, o filme manteve-se isolado no gueto da esquerda, ora tratado como um exotismo marginal, pela mídia tradicional, ora francamente ignorado, pela mesma, para felicidade da direita, que sempre o teve como um incômodo natural.

Indicado ao Oscar, "Democracia em vertigem" assumiu uma dimensão gigantesca, menos por seu conteúdo do que por seu significado, embora ambos sejam igualmente relevantes. O golpe institucional de 2016 passou, com a indicação, a ganhar uma visibilidade inédita, inclusive dentro do País.

O filme de Petra gerou uma onda de histerismo dentro do bolsonarismo e conseguiu a proeza de resgatar, lá do fundo da lixeira da História, o PSDB - sigla morta e enterrada, asfixiada por seu próprio anacronismo, nas eleições de 2018.

Ressentidos, os tucanos partiram para a ironia agressiva contra Petra, apavorados com a exposição que, a partir de agora, os canalhas do partido terão, mundo afora. 

Só por isso, já valeu a indicação para o Oscar. Nem precisa mais levar a estatueta. 

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247