Vítima de machismo, Laura Tessler foi cúmplice de Moro

"O conluio que escanteou Laura foi mais do que somente uma ação incestuosa entre o juiz e o promotor, por si só, um crime passivel de nulidade absoluta do processo contra Lula. Foi, também, machismo em estado puro", diz o colunista Leandro Fortes

Moro fez o Brasil viver à margem da lei
Moro fez o Brasil viver à margem da lei (Foto: REUTERS/Leonardo Benassatto)

Laura Tessler poderia ter sido, muito antes dos arquivos do The Intercept Brasil, a voz da Justiça e da grandeza do Ministério Público Federal contra a farsa que condenou o ex-presidente Lula. Mas, ao invés disso, calou-se e aceitou seu destino infeliz.

A procuradora foi limada dos interrogatórios de Lula por ordem de Sérgio Moro - ou alguém tem, ainda, alguma dúvida sobre o poder das sugestões do ex-juiz sobre o frágil e servil Deltan Dallangnol?

O conluio que escanteou Laura foi mais do que somente uma ação incestuosa entre o juiz e o promotor, por si só, um crime passivel de nulidade absoluta do processo contra Lula. 

Foi, também, machismo em estado puro.

Ainda assim, ela se calou. Preferiu se curvar às circunstâncias e se submeter a uma humilhação pessoal e funcional em nome sabe-se lá do quê. 

Juntou-se ao antipanteão onde brilha a chama da juíza Gabriela Hardt, a plagiadora de Moro.

E é pouco provável que, agora, tenha dignidade de vir a público para, ao menos, se desculpar por ter compactuado com uma farsa que destruiu o País apenas para colocar um homem inocente na cadeia.

Ao vivo na TV 247 Youtube 247