Viva Messis, Marcelos, Kanoutés e Dagasans

Messi orgulhou o universo dos que acreditam em justiça e autodeterminação dos povos ao liderar os atletas da seleção argentina contra a realização do amistoso com a seleção de Israel, em Jerusalém

Messi orgulhou o universo dos que acreditam em justiça e autodeterminação dos povos ao liderar os atletas da seleção argentina contra a realização do amistoso com a seleção de Israel, em Jerusalém
Messi orgulhou o universo dos que acreditam em justiça e autodeterminação dos povos ao liderar os atletas da seleção argentina contra a realização do amistoso com a seleção de Israel, em Jerusalém (Foto: Chico Vigilante)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Messi orgulhou o universo dos que acreditam em justiça e autodeterminação dos povos ao liderar os atletas da seleção argentina contra a realização do amistoso com a seleção de Israel, em Jerusalém.

Suas palavras resumem o sentimento de solidariedade que cresce no mundo: não posso jogar com a seleção de um país que derrama o sangue de crianças palestinas inocentes.

Setenta crianças palestinas, refugiadas dos campos de Qalandya, Al-Am'ari, Yalazón e Ainda, escreveram uma carta a Messi onde pedem "Lionel Messi, por favor não desiluda nossos corações. Segundo nos disseram, você vai jogar em Malha, num estádio construído sobre a nossa aldeia destruída."

No mundo das estrelas do futebol que se emocionam com o sofrimento do povo palestino, Messi não foi o primeiro nem será o último.

Em 2009, o jogador franco malinês Kanouté, após fazer um gol contra o Deportivo de La Coruña em um jogo pela Copa do Rei, retirou a camisa, e na malha que usava por baixo estava escrita em vários idiomas a palavra "Palestina".

No mesmo ano, o meia Ibrahim Dagasan, do Sivasspor, comemorou a vitória da sua equipe sobre o Galatasaray pela Copa da Turquia fincando ao final da partida, bem no cento do gramado, uma bandeira Palestina.

O jogador brasileiro Marcelo Vieira, então lateral esquerdo no Real Madri, em 2011 - time conhecido por sua torcida fascista – foi cortado da seleção da Copa América por ter postado em seu Facebook uma foto de um militante palestino com a frase "My heart with Palestinians now as they fighting with Israel" - Meu coração está com os palestinos em sua luta contra Israel" .

Esses acontecimentos mostram que os sionistas, apesar de terem o controle de meios de comunicação de grande parte da imprensa internacional, não conseguem esconder o sentimento crescente de indignação contra o governo israelense.

Meu apoio incondicional à luta do povo palestino contra a opressão e a invasão de suas terras. Viva todos os Messis, Marcelos, Kanoutés, e Ibrahims Dagasan.

Que se multipliquem na coragem de enfrentar as regras da FIFA e de usarem sua glória aos olhos dos povos do mundo em defesa da causa de uma Palestina Livre.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247