Volta do PAC, rebatizado como Pró-Brasil, é a derrota definitiva de Paulo Guedes

"Guedes tem razão em lamentar sua derrota. Sim, é a volta do modelo do governo Dilma – e este é o único caminho para reativar a economia. Aumentar a despesa pública é crucial justamente porque não há nem haverá investimento privado nos próximos anos", diz o jornalista Leonardo Attuch, editor do 247

Dilma Rousseff, General Braga Netto e Paulo Guedes
Dilma Rousseff, General Braga Netto e Paulo Guedes (Foto: Ederson Casartelli/247 | PR | Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Ironicamente, os generais brasileiros que embarcaram na aventura golpista de 2016, liderada pelo PSDB e pelo MDB para afastar a ex-presidente Dilma Rousseff, agora terão que resgatar as ideias e os métodos de Dilma para tirar o Brasil do atoleiro.

A prova disso ocorreu no fim da tarde desta quarta-feira 22, quando foi lançado o "Pró-Brasil", também chamado de 'Plano Marshall brasileiro', e que nada mais é do que a volta do PAC, o Plano de Aceleração do Crescimento, que foi capitaneado pela então ministra Dilma Rousseff. Ela comandava a área de Minas e Energia no segundo mandato do ex-presidente Lula e, como "mãe do PAC", viabilizou sua candidatura presidencial em 2010.

O novo PAC, com R$ 300 bilhões em investimentos, dos quais R$ 250 bilhões em concessões privadas e R$ 50 bilhões em gastos públicos em infraestrutura, também terá um "pai". Será o general Braga Netto, ministro da Casa Civil, que a cada dia que passa se consolida como "presidente operacional". O 'Posto Ipiranga' Paulo Guedes, por sua vez, se opôs ao programa, alegando que é a volta do modelo Dilma.

Guedes tem razão em lamentar sua derrota. Sim, é a volta do modelo do Dilma – e este é o único caminho para reativar a economia. Aumentar a despesa pública é crucial justamente porque não há nem haverá investimento privado nos próximos anos. O que falta agora é afastar de vez não apenas Paulo Guedes, como todo seu pacote de ideias neoliberais que apodreceram.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email