Volta do PAC, rebatizado como Pró-Brasil, é a derrota definitiva de Paulo Guedes

"Guedes tem razão em lamentar sua derrota. Sim, é a volta do modelo do governo Dilma – e este é o único caminho para reativar a economia. Aumentar a despesa pública é crucial justamente porque não há nem haverá investimento privado nos próximos anos", diz o jornalista Leonardo Attuch, editor do 247

Dilma Rousseff, General Braga Netto e Paulo Guedes
Dilma Rousseff, General Braga Netto e Paulo Guedes (Foto: Ederson Casartelli/247 | PR | Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Ironicamente, os generais brasileiros que embarcaram na aventura golpista de 2016, liderada pelo PSDB e pelo MDB para afastar a ex-presidente Dilma Rousseff, agora terão que resgatar as ideias e os métodos de Dilma para tirar o Brasil do atoleiro.

A prova disso ocorreu no fim da tarde desta quarta-feira 22, quando foi lançado o "Pró-Brasil", também chamado de 'Plano Marshall brasileiro', e que nada mais é do que a volta do PAC, o Plano de Aceleração do Crescimento, que foi capitaneado pela então ministra Dilma Rousseff. Ela comandava a área de Minas e Energia no segundo mandato do ex-presidente Lula e, como "mãe do PAC", viabilizou sua candidatura presidencial em 2010.

O novo PAC, com R$ 300 bilhões em investimentos, dos quais R$ 250 bilhões em concessões privadas e R$ 50 bilhões em gastos públicos em infraestrutura, também terá um "pai". Será o general Braga Netto, ministro da Casa Civil, que a cada dia que passa se consolida como "presidente operacional". O 'Posto Ipiranga' Paulo Guedes, por sua vez, se opôs ao programa, alegando que é a volta do modelo Dilma.

Guedes tem razão em lamentar sua derrota. Sim, é a volta do modelo do Dilma – e este é o único caminho para reativar a economia. Aumentar a despesa pública é crucial justamente porque não há nem haverá investimento privado nos próximos anos. O que falta agora é afastar de vez não apenas Paulo Guedes, como todo seu pacote de ideias neoliberais que apodreceram.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247