Weintraub: nem “olavete”, nem militar, mas militante de direita

"Weintraub não é  'olavete', não é militar, não é do DEM nem do PSDB (embora tenha afinidades) e nem evangélico (é judeu)", diz Helena Chagas, do Jornalistas pela Democracia, sobre o novo ministro da Educação; "Não possui maiores experiências na área educacional, mas é reconhecido como gestor. É, sobretudo, um militante de direita", afirma; "Ele já defendeu o combate ao 'marxismo cultural nas universidades' e, obviamente, o tempero ideológico pesou em sua escolha. Agora só falta esperar a reação de Olavo"

Weintraub: nem “olavete”, nem militar, mas militante de direita
Weintraub: nem “olavete”, nem militar, mas militante de direita (Foto: Divulgação/Casa Civíl)

Por Helena Chagas, para Os Divergentes e para o Jornalistas pela Democracia

Jair Bolsonaro ataca as pesquisas de opinião, e o Planalto finge que não liga para elas, mas a substituição de Vélez Rodriguez pelo economista Abraham Weintraub no MEC é a sinalização de que governo pode ter resolvido dar o freio de arrumação que era cobrado interna e externamente. O primeiro dado a se considerar: Weintraub não é  “olavete”, não é militar, não é do DEM nem do PSDB (embora tenha afinidades) e nem evangélico (é judeu). Não possui maiores experiências na área educacional, mas é reconhecido como gestor. É, sobretudo, um militante de direita.

Ao indicá-lo, Bolsonaro não deixa de fazer um gesto em relação ao ministro chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, que o escolhera para secretário executivo de sua pasta. Lorenzoni podia até preferir um nome político, como o DEM e parte do PSDB, que esticaram os olhos para o MEC.

Essas expectativas não atendidas, aliás, falam muito sobre o limites do presidente da República na negociação da Previdência com o Congresso, e mostram que o presidente não vai ceder e que continuará com poder de fogo reduzido para manter o texto de Paulo Guedes enviado ao Congresso. Quem sabe se isso não seria exatamente o que ele quer…

Os militares não vão também ficar insatisfeitos. Abraham Weintraub não é uma indicação de Olavo de Carvalho e poderá ajudar a “desolavizar” o MEC. Mas vai seguir a linha desejada pelo Planalto. Ele já defendeu o combate ao “marxismo cultural nas universidades” e, obviamente, o tempero ideológico pesou em sua escolha.

Agora só falta esperar a reação de Olavo.

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

Conheça a TV 247

Mais de Blog

O histerismo ideológico do clã Jair Messias e seus seguidores
Ariovaldo Ramos

Depressa!

Se houvesse necessidade, frente a qualquer inimigo externo, Deus levantava um ou uma líder, chamado de juiz ou de juíza, que comandava o povo contra o invasor e, assim, protegia o território e o...

Ao vivo na TV 247 Youtube 247