3,5 milhões de pessoas vivem em cidades com barragem de risco

O risco iminente das populações de pequenas cidades que circundam barragens no Brasil não é apenas dramático como é também em escala: 3,5 milhões de pessoas que vivem em cidades brasileiras  localizadas em zona de barragens, correm risco de inundação - em função das más condições estruturais das usinas e mineradoras; o número chega a impressionantes 2% da população do país

3,5 milhões de pessoas vivem em cidades com barragem de risco
3,5 milhões de pessoas vivem em cidades com barragem de risco (Foto: REUTERS/Washington Alves)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O risco iminente das populações de pequenas cidades que circundam barragens no Brasil não é apenas dramático como é também em escala: 3,5 milhões de pessoas que vivem em cidades brasileiras  localizadas em zona de barragens, correm risco de inundação - em função das más condições estruturais das usinas e mineradoras. O número chega a impressionantes 2% da população do país.

A reportagem do jornal Folha de S. Paulo destaca que o "relatório da ANA (Agência Nacional de Águas) divulgado no fim do ano passado, com informações de 2017, apontou que 45 estruturas do tipo apresentavam falhas estruturais. Elas estão espalhadas por 13 estados e mais de 30 municípios. Entre os problemas citados, estavam infiltrações, buracos, rachaduras e falta de documentos que garantissem a segurança da estrutura. O número pode ser maior porque nem todos os órgãos fiscalizadores enviam as informações completas sobre suas barragens à ANA."

"As cidades mais populosas com barragens nessa situação são Campo Grande (MS), Cariacica (ES) e Pelotas (RS). Em São Paulo, há duas: Americana e Pirapora do Bom Jesus. A barragem que se rompeu em Brumadinho na última sexta (25) era considerada de baixo risco. Deixou 99 mortos e 259 desaparecidos até esta quarta-feira (30). A tragédia trouxe à tona a discussão sobre a proximidade entre barragens e comunidades do entorno."

 

 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247