“A luta feminista deve ser necessariamente uma luta anticapitalista”, diz Taylisi Leite

A professora e autora defendeu a ‘teoria da reprodução social’ para explicar as formas de opressão que o capitalismo impõe sobre as mulheres. Segundo Taylisi, o feminismo deve ser desassociado do capital, afirmando uma realidade socialista. Assista

(Foto: manifestações/reddit.org, tay/wikipedia)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Em entrevista à TV 247, a professora e autora do livro ‘Crítica ao Feminismo Liberal: valor-clivagem e marxismo feminista’, Taylisi Leite, explicou o feminismo marxista e expôs as falácias do movimento liberal pela libertação das mulheres.

Taylisi mencionou o livro ‘Feminismo para os 99%’ de Cinzia Arruzza, Heci Regina Candiani e Nancy Fraser, que se baseia na teoria da reprodução social para mostrar como o capitalismo desenvolve sistemas de opressão com base na exploração das mulheres. 

Talysi argumenta que o feminismo deve se desassociar de formas de exploração capitalista, afirmando uma realidade socialista. É necessário “chamar atenção sobre como o feminismo no mundo todo foi capturado pelo neoliberalismo e tentar trazer de volta esse feminismo para todas as mulheres do globo, e entender como há uma opressão necessária e imbricada na realidade capitalista. Uma luta feminista precisa ser uma luta anticapitalista”, diz.

Inscreva-se na TV 247, seja membro e compartilhe:

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email