A mais recente decisão inacreditável do STF

"O STF demonstra dia após dia que o poço de empáfia no qual afunda o Judiciário brasileiro não tem fundo. A mais recente peripécia dos "excelentíssimos" ministros é uma decisão de hoje no sentido de que presos em celas superlotadas devem receber indenização do Estado", escreve o colunista do Cafezinho Pedro Breier; para ele, "o mais esdrúxulo é que o próprio STF contribuiu enormemente para agravar o problema da superlotação dos presídios brasileiros ao autorizar a prisão após a condenação em segunda instância"

"O STF demonstra dia após dia que o poço de empáfia no qual afunda o Judiciário brasileiro não tem fundo. A mais recente peripécia dos "excelentíssimos" ministros é uma decisão de hoje no sentido de que presos em celas superlotadas devem receber indenização do Estado", escreve o colunista do Cafezinho Pedro Breier; para ele, "o mais esdrúxulo é que o próprio STF contribuiu enormemente para agravar o problema da superlotação dos presídios brasileiros ao autorizar a prisão após a condenação em segunda instância"
"O STF demonstra dia após dia que o poço de empáfia no qual afunda o Judiciário brasileiro não tem fundo. A mais recente peripécia dos "excelentíssimos" ministros é uma decisão de hoje no sentido de que presos em celas superlotadas devem receber indenização do Estado", escreve o colunista do Cafezinho Pedro Breier; para ele, "o mais esdrúxulo é que o próprio STF contribuiu enormemente para agravar o problema da superlotação dos presídios brasileiros ao autorizar a prisão após a condenação em segunda instância" (Foto: Gisele Federicce)

por Pedro Breier, no Cafezinho

O STF demonstra dia após dia que o poço de empáfia no qual afunda o Judiciário brasileiro não tem fundo.

A mais recente peripécia dos "excelentíssimos" ministros é uma decisão de hoje no sentido de que presos em celas superlotadas devem receber indenização do Estado.

O caso analisado pelo STF é o de um cidadão que estava em uma cela com capacidade para 12 pessoas mas que abrigava 100. O condenado tinha que dormir com a cabeça no vaso sanitário.

O STF decidiu que ele merece uma indenização de R$ 2 mil por conta disso.

A desproporção salta aos olhos: R$ 2 mil reais de indenização por ficar preso em condições sub-humanas, de fazer inveja às masmorras medievais, é uma piada de enorme mau gosto.

Três ministros foram um pouco mais sensatos e propuseram que nesses casos o preso deveria ter o seu tempo de pena abreviado.

Mas o mais esdrúxulo é que o próprio STF contribuiu enormemente para agravar o problema da superlotação dos presídios brasileiros ao autorizar a prisão após a condenação em segunda instância, em clara afronta ao princípio da presunção da inocência.

Quão surreal é autorizar o aumento do número de prisões para depois dizer que o Estado deve indenizar quem for mantido preso em celas superlotadas?

O STF representa perfeitamente o que o Judiciário brasileiro se tornou: um poder hipertrofiado, conservador e completamente sem noção.

No mundo encantado dos que têm cargo vitalício, salários nababescos e não precisam prestar contas à população – só à Globo – tudo é muito fácil.

Os eleitos pelo povo que se virem para governar.


Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247