A Procuradoria da República atua para quebrar a Odebrecht

Jornalista Luis Nassif afirma ter ouvido de um procurador "que o MPF acertará acordos de leniência, visando poupar as empresas"; "Ora, os acordos só foram acertados quando as empreiteiras jaziam exangues, sem capital de giro, sem projetos, proibidas de operar com o BNDES e com o mercado externo sendo demolido – pelo MPF e pelo próprio BNDES", escreve Nassif

Jornalista Luis Nassif afirma ter ouvido de um procurador "que o MPF acertará acordos de leniência, visando poupar as empresas"; "Ora, os acordos só foram acertados quando as empreiteiras jaziam exangues, sem capital de giro, sem projetos, proibidas de operar com o BNDES e com o mercado externo sendo demolido – pelo MPF e pelo próprio BNDES", escreve Nassif
Jornalista Luis Nassif afirma ter ouvido de um procurador "que o MPF acertará acordos de leniência, visando poupar as empresas"; "Ora, os acordos só foram acertados quando as empreiteiras jaziam exangues, sem capital de giro, sem projetos, proibidas de operar com o BNDES e com o mercado externo sendo demolido – pelo MPF e pelo próprio BNDES", escreve Nassif (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News

Por Luis Nassif, no Jornal GGN - Um dos pontos centrais dos acordos de delação é a palavra das partes. O delator precisa acreditar que os acordos fechados serão cumpridos.

Peça central da Lava Jato, o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto da Costa, está ameaçado de perder as regalias da delação.

Segundo O Globo, o procurador Deltan Dallagnol – aparentemente em síndrome de abstinência de holofote – notou irregularidades na delação de Costa.

“Um dos exemplos de versões divergentes citadas pelo MPF diz respeito ao termo de colaboração número 80. No depoimento, Costa disse que requisitou à Arianna a retirada de R$ 100 mil e US$ 10 mil de sua empresa. Contudo, em juízo ele mudou a versão. Afirmou ter solicitado que a acusada buscasse R$ 50 mil no escritório da Costa Global Consultoria” (MPF pede a Moro suspensão de benefícios e a condenação de Paulo Roberto Costa). Fantástico! Melhor que isso só a informação de que a Procuradoria Geral da República juntou procuradores de onze países para liquidar de vez com a Odebrecht.

Semanas atrás conversei longamente com um procurador que respeito – da cooperação internacional. Ele estava claramente incomodado com as acusações de que o MPF se tornara uma força antinacional:

PUBLICIDADE

- Tem procurador de direita e esquerda aqui. Mas nenhum contra o país.

Argumentei sobre o processo de destruição nas empreiteiras nacionais. Sua resposta foi a de que o MPF acertará acordos de leniência, visando poupar as empresas.

PUBLICIDADE

Ora, os acordos só foram acertados quando as empreiteiras jaziam exangues, sem capital de giro, sem projetos, proibidas de operar com o BNDES e com o mercado externo sendo demolido – pelo MPF e pelo próprio BNDES.

A Odebrecht já pagou por todos seus pecados. E é uma empresa que detém tecnologia sensível em várias áreas do país: na petroquímica, na área de defesa, no submarino nuclear, nas telecomunicações, nas construções de hidrelétricas, no conhecimento do mercado internacional

PUBLICIDADE

Qual a lógica desse golpe final contra a empresa? Evidentemente não é para atender a interesses nacionais. Mais cedo ou mais tarde virá à tona os verdadeiros interesses a que a Lava Jato e a Procuradoria Geral da República servem.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email