A retórica de Barroso para fazer do caso Lula uma exceção

Ministro ignorou prazos legais, criou sessão extraordinária, restringiu o direito garantido de defesa, adotou tempo recorde de análise das sustentações, mostrou-se vítima de relatoria do processo, rebaixou decisão do Comitê de Direitos Humanos da ONU, mas tentou tapar erros exaltando falso garantismo, destaca Patricia Faermann em reportagem no GGN

A retórica de Barroso para fazer do caso Lula uma exceção
A retórica de Barroso para fazer do caso Lula uma exceção (Foto: Carlos Moura/Ascom/TSE)

Por Patricia Faermann, no Jornal GGN - Para cassar a candidatura do ex-presidente Lula, o ministro Luís Roberto Barroso abusou de uma sequência de estratégias características da retórica sofista, na arte de persuadir o público por sua tese antilógica. Ao escancaradamente saltar diversos direitos de defesa inquestionáveis para se julgar uma candidatura, Barroso teve que se empenhar para que a última impressão não parecesse o que era.

"Não houve, como pretendo demonstrar, nem apelo nem tratamento desigual", foi uma das frases introduzidas pelo ministro, com cautela, na noite de ontem. A fala tentava tapar um buraco deixado pelo relator, após ter saltado todos os prazos legais garantidos à defesa em processo como este.
 
Leia aqui a íntegra.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247