Ação popular contra o golpe ganha adesão de Marilena Chauí

Além da professora da USP, o ex-presidente da Petrobras Sérgio Gabrielli aderiu à ação que pretende coletar 1,3 milhão de assinaturas; o movimento pede a anulação do impeachment da presidente legítima Dilma Rousseff

Fotos Ivone Perez - Evento Pró Dilma Teatro - Casa Grande - Rio de Janeiro 18/10/10.Marilena Chaui
Fotos Ivone Perez - Evento Pró Dilma Teatro - Casa Grande - Rio de Janeiro 18/10/10.Marilena Chaui (Foto: Gisele Federicce)

Por Cida de Oliveira, da Rede Brasil Atual

A ação popular em favor da anulação do impeachment da presidenta Dilma Rousseff recebeu hoje (21) a adesão da filósofa Marilena Chaui, professora titular na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (USP). Fundadora do PT e secretária municipal da Cultura de São Paulo na gestão Luiza Erundina (1989-1993), a controversa Chauí é coerente quanto ao golpe parlamentar e midiático, com apoio do Judiciário, que tirou Dilma da Presidência da República.

Em maio de 2016, referindo-se à deposição da presidenta, Chaui afirmou em debate em São Paulo que a sociedade brasileira "está prontinha, acabadinha para o universo fascista". E que considera o impeachment "um golpe de Estado e o projeto do governo Temer (Ponte para o Futuro) é uma "pinguela para o passado".

Lula e Chico Buarque reforçam ação popular pela anulação do golpe
"Quando encontrei com ela, comecei a explicar o objetivo e expectativa do nosso movimento. Mas ela nem esperou que eu terminasse de falar e logo quis assinar", conta a coordenadora do Movimento Nacional pela Anulação do Impeachment (MNAI), a enfermeira aposentada Edva Aguillar.

O comitê Salvador do Movimento Nacional pela Anulação do Impeachment (MNAI) registrou a adesão de Sérgio Gabrielli, que presidiu a Petrobras de 2005 a 2012. Desde o início do mês, a ação vem ganhando cada vez mais apoio. Na semana passada, assinaram o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e Chico Buarque.

Lançada no dia nacional de paralisação convocado pelas centrais sindicais e pelos movimentos sociais, no último dia 30, a ação popular pretende reunir 1,3 milhão de assinaturas para pressionar o Supremo Tribunal Federal a anular o impeachment.

Com comitês em diversas capitais, o Movimento Nacional pela Anulação do Impeachment contesta o mérito do processo que depôs Dilma mesmo sem ter sido comprovado crime de responsabilidade.

Conheça a TV 247

Mais de Brasil

Ao vivo na TV 247 Youtube 247