Ação popular contra o golpe ganha adesão de Marilena Chauí

Além da professora da USP, o ex-presidente da Petrobras Sérgio Gabrielli aderiu à ação que pretende coletar 1,3 milhão de assinaturas; o movimento pede a anulação do impeachment da presidente legítima Dilma Rousseff

Fotos Ivone Perez - Evento Pró Dilma Teatro - Casa Grande - Rio de Janeiro 18/10/10.Marilena Chaui
Fotos Ivone Perez - Evento Pró Dilma Teatro - Casa Grande - Rio de Janeiro 18/10/10.Marilena Chaui (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Cida de Oliveira, da Rede Brasil Atual

A ação popular em favor da anulação do impeachment da presidenta Dilma Rousseff recebeu hoje (21) a adesão da filósofa Marilena Chaui, professora titular na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (USP). Fundadora do PT e secretária municipal da Cultura de São Paulo na gestão Luiza Erundina (1989-1993), a controversa Chauí é coerente quanto ao golpe parlamentar e midiático, com apoio do Judiciário, que tirou Dilma da Presidência da República.

Em maio de 2016, referindo-se à deposição da presidenta, Chaui afirmou em debate em São Paulo que a sociedade brasileira "está prontinha, acabadinha para o universo fascista". E que considera o impeachment "um golpe de Estado e o projeto do governo Temer (Ponte para o Futuro) é uma "pinguela para o passado".

Lula e Chico Buarque reforçam ação popular pela anulação do golpe
"Quando encontrei com ela, comecei a explicar o objetivo e expectativa do nosso movimento. Mas ela nem esperou que eu terminasse de falar e logo quis assinar", conta a coordenadora do Movimento Nacional pela Anulação do Impeachment (MNAI), a enfermeira aposentada Edva Aguillar.

O comitê Salvador do Movimento Nacional pela Anulação do Impeachment (MNAI) registrou a adesão de Sérgio Gabrielli, que presidiu a Petrobras de 2005 a 2012. Desde o início do mês, a ação vem ganhando cada vez mais apoio. Na semana passada, assinaram o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e Chico Buarque.

Lançada no dia nacional de paralisação convocado pelas centrais sindicais e pelos movimentos sociais, no último dia 30, a ação popular pretende reunir 1,3 milhão de assinaturas para pressionar o Supremo Tribunal Federal a anular o impeachment.

Com comitês em diversas capitais, o Movimento Nacional pela Anulação do Impeachment contesta o mérito do processo que depôs Dilma mesmo sem ter sido comprovado crime de responsabilidade.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247