“Acidente” pode ter sido causado por dano mecânico, diz defesa

Envolvidos na morte da pequena Grazielly, atropelada por um jet ski,sero interrogados na quinta-feira, 23

“Acidente” pode ter sido causado por dano mecânico, diz defesa
“Acidente” pode ter sido causado por dano mecânico, diz defesa (Foto: REGINALDO PUPO/AGÊNCIA ESTADO)

247 - O adolescente não estava pilotando o jet ski. Ele deu a partida, mas a embarcação foi para frente sozinha. “[Ela] projetou para a praia, sem piloto”, resumiu o advogado Maurimar Bosco Chiasso, contratado pela família do menor. Ou seja, a morte de Grazielly Almeida Lames, de três anos, não foi um homicídio culposo, como registrou a Polícia Civil de São Paulo. Foi um “fatídico acidente” provocado por um jet ski, segundo defende Chiasso.

“Ele deu a partida inadvertidamente, sem conhecimento do funcionamento da máquina”, explica o advogado. Faltou ele rebater apenas um detalhe crucial do caso: os depoimentos das testemunhas que viram o rapaz no comando do jet ski, inclusive usando colete salva-vidas.

“Pode ter havido um dano mecânico”, justifica Chiasso sobre a manobra da embarcação, que avançou rumo à praia e, pouco depois, atingiu fatalmente Grazi, que brincava na areia. Na hora do “fatídico acidente”, o garoto estava com um amigo e sem a presença de um adulto. “O jet ski foi colocado na água por um funcionário”, completa o advogado, poupando o pai do rapaz – que estava em Mogi das Cruzes, a mãe e os padrinhos, com quem o menino estava no condomínio de luxo de Bertioga, no litoral norte de São Paulo. Sobra para o funcionário – de quem mesmo, Chiasso? – mas não para a família nobre envolvida no caso.

A delegacia sede de Bertioga informa que as investigações já começaram. Na quinta-feira, prestam depoimento o adolescente, os pais e padrinhos. “Ainda é precipitado ter uma conclusão concreta porque as provas são iniciais”, avalia o delegado Marcelo Rodrigues. “O responsável [pelo crime] é o dono do jet ski. O adolescente não tinha idade nem condições para pilotar”, completa o delegado, mais lúcido e sensato em relação à morte de Grazielly.

Será que a pressão do Ministério Público Estadual de São Paulo e da sociedade vai garantir a punição dos responsáveis pela morte da criança? Ou, mais uma vez, a cultura da impunidade sairá ganhando no Brasil?

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247