Acuado pelos gritos de "traidor", Bolsonaro tenta tirar policiais do projeto da Previdência

Após ser chamado de “traidor” por delegados e parlamentares do PSL ligados à bancada da bala na Câmara, o presidente Jair Bolsonaro interviu pessoalmente visando alterar as regras para a aposentadoria de policiais civis e federais; após o telefonema, os parlamentares já começaram a elaborar alterações nas regras visando abrandar as regras de aposentadoria para a categoria, uma das principiais bases eleitorais do presidente

(Foto: Marcos Corrêa/PR)

247 - Após ser chamado de “traidor” por delegados e parlamentares do PSL ligados à bancada da bala na Câmara (leia no Brasil 247), o presidente Jair Bolsonaro interviu pessoalmente visando alterar as regras para a aposentadoria de policiais civis e federais. Segundo a coluna Painel, do jornal Folha de S. Paulo, Bolsonaro telefonou para o relator do projeto de reforma da Previdência na Casa, Samuel Moreira (PSDB-SP), cujo relatório foi lido nesta terça-feira (2), visando conseguir um ponto de consenso que atendesse tanto ao Congresso como uma das suas principais bases de apoio. 

O contato de Bolsonaro teria sido intermediado pelo líder o governo na Câmara, Major Vitor Hugo (PSL-GO). Nas negociações sobre o assunto, teria ficado acertado que o ministro da Economia, Paulo Guedes, não irá mais se manifestar sobre a alteração nas regras para aposentadoria das categorias de segurança mantidas pela União. Guedes vinha se posicionando de forma contrária a qualquer concessão nesta direção. 

Diante da iniciativa feita por Bolsonaro, os parlamentares começaram a formular, ainda na noite da terça-feira, as alterações que visam abrandar as regras de aposentadorias para os profissionais da área de segurança. 

Conheça a TV 247

Mais de Brasil

Ao vivo na TV 247 Youtube 247