Afrânio critica “nefasta influência das religiões na vida política”

"Chega de hipocrisias e de pregar a 'doutrina' de Cristo, se comportando de forma tão gritante contra ela. Basta dizer que os evangélicos apoiaram o atual Presidente da República que, por várias vezes, declarou ser favorável à tortura", diz o jurista Afrânio Silva Jardim, professor de Direito Processual Penal da UeRJ

Afrânio critica “nefasta influência das religiões na vida política”
Afrânio critica “nefasta influência das religiões na vida política”

Por Afrânio Silva Jardim, em seu Facebook

EU CONFESSO: LAMENTAVELMENTE, ESTOU ME TORNANDO UM ANTICLERICAL !!!

A nefasta influência das religiões na vida política de nosso país e, por conseguinte, na vida cotidiana de todos os brasileiros, está me tornando um obstinado crítico de todas as religiões.

A toda evidência, no atual momento, a perniciosa influência a que me refiro é a das igrejas cristãs, principalmente, as evangélicas. Em muitas delas, os chamados "pastores" não têm instrução ou cultura para impor condutas morais a seus "fieis". Sequer sabem interpretar corretamente as metáforas e simbolismos que se encontram na bíblia.

Evidentemente, cada um pode acreditar no que desejar. A diversidade de crença e pensamento podem até ser democráticos. Entretanto, não é nada democrático os religiosos quererem impor, através de bancada de políticos ou do próprio Pode Executivo, suas crenças e seus valores morais, muitos deles de origem medieval.

Como tudo que é normativo, assim como o próprio Direito, todas as religiões são conservadoras e machistas, pois suas regras de moral foram constituídas no longínquo passado, sem o avanço atual da ciência e sem a natural modificação dos costumes.

Por mais que desejem os religiosos, a sociedade não ficará jamais estagnada; ela avança dialeticamente, queiramos ou não.

Entretanto, a resistência dos religiosos a tais mudanças, embora se apresente inútil, acaba por infelicitar muitas pessoas, que são "castradas" em seus sonhos, perseguidas socialmente, discriminadas e violentadas na formação de seu caráter e personalidade.

De há muito o nosso Estado está separado das religiões. O nosso Estado é laico. O Estado teocrático seria um absurdo retrocesso em nossa imatura civilização.

A "politização das religiões" vai levar a uma indesejável intolerância entre elas e o combate a todas pelos não religiosos. Jesus não apoiaria esta indevida intromissão na vida política de um país.

Não misturem política com religião. Deixem os deuses para os templos religiosos e para o íntimo de cada um de seus crentes. Deixem-nos em paz, sem crenças ou com quaisquer crenças.

Normalmente, o teísta é um autoritário, pois deseja e luta para que todos tenham a sua mesma crença. Esquecem eles que existem inúmeros outros deuses nas mais diversas civilizações que habitam o nosso planeta. Assim, acreditando em um só deus, eles são ateus em relação aos demais deuses cultuados por outras pessoas.

Chega de hipocrisias e de pregar a "doutrina" de Cristo, se comportando de forma tão gritante contra ela.

Basta dizer que os evangélicos apoiaram o atual Presidente da República que, por várias vezes, declarou ser favorável à tortura.

Jesus foi torturado e morto por se opor aos valores reinantes em sua época, impostos pela dominação romana. Ao menos, esperamos que os cristãos sejam cristãos. Como Cristo, os cristãos devem ser tolerantes e não devem tentar "sufocar" a sociedade com suas crenças inverossímeis.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247