Agenda de Costa reforça suspeita contra políticos

Anotações manuscritas em uma caderneta do ex-diretor da Petrobras, apreendida pela Polícia Federal, contém iniciais de deputados e de ex-ministros, ao lado de valores; essa semana, foi divulgada lista com nomes de 28 políticos supostamente beneficiados pelo esquema de corrupção em contratos da estatal; investigações não puderam ser apuradas por um motivo polêmico: autoridades políticos só podem ser investigadas pelo STF, pois têm direito a foro privilegiado

Anotações manuscritas em uma caderneta do ex-diretor da Petrobras, apreendida pela Polícia Federal, contém iniciais de deputados e de ex-ministros, ao lado de valores; essa semana, foi divulgada lista com nomes de 28 políticos supostamente beneficiados pelo esquema de corrupção em contratos da estatal; investigações não puderam ser apuradas por um motivo polêmico: autoridades políticos só podem ser investigadas pelo STF, pois têm direito a foro privilegiado
Anotações manuscritas em uma caderneta do ex-diretor da Petrobras, apreendida pela Polícia Federal, contém iniciais de deputados e de ex-ministros, ao lado de valores; essa semana, foi divulgada lista com nomes de 28 políticos supostamente beneficiados pelo esquema de corrupção em contratos da estatal; investigações não puderam ser apuradas por um motivo polêmico: autoridades políticos só podem ser investigadas pelo STF, pois têm direito a foro privilegiado (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Uma agenda apreendida pela Polícia Federal em março desse ano na casa do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa reforça a suspeita contra políticos supostamente beneficiados no esquema de corrupção da Petrobras. Nessa sexta-feira 19, o jornal O Estado de S. Paulo divulgou uma lista com 28 nomes que teriam sido citados por Costa em depoimento.

Dessa vez, reportagem de Ricardo Brandt, Julia Affonso e Fausto Macedo, publicada na tarde deste sábado 20, aponta que a caderneta de Costa trazia iniciais de deputados e de ex-ministros ao lado de valores, que seriam as quantias recebidas por eles no esquema.

A apuração sobre as iniciais não puderam ser aprofundadas por um motivo polêmico: autoridades políticas só podem ser investigadas pelo Supremo Tribunal Federal (STF), por terem prerrogativa de foro privilegiado. O processo da Lava Jato ocorre em primeira instância, sob a coordenação do juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba.

O caderno de Costa, que segundo ele foi copiado no escritório do doleiro Alberto Youssef, traz as letras Piz (referência a João Alberto Pizzolati Jr (PP-SC); Mn (ex-ministro Mário Negromonte); Nel (Nelson Meurer, PP-PR); BL (Benedito Lira, PP-AL); Tvian (governador do Acre, Tião Viana (PT); e WR (Valdir Raupp). As iniciais foram esclarecidas pelo próprio delator.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247