Agenda de Temer jamais venceria nas urnas

Programa do vice-presidente Michel Temer prevê, segundo a revista Exame, cortes no salário mínimo e nos gastos com saúde e educação; as duas medidas, reconhecidamente impopulares, são a forma que a equipe do peemedebista encontrou para escapar de uma alta inevitável de impostos neste primeiro momento; segundo os assessores de Temer, agora é hora de cortar despesas, em vez de aumentar as receitas; no entanto, a adoção dessas medidas, embora agrade ao mercado, representa perdas para os trabalhadores; não por acaso, Temer, que tem 1% das intenções de voto segundo o Datafolha, disse hoje que a proposta de novas eleições representaria um golpe

Programa do vice-presidente Michel Temer prevê, segundo a revista Exame, cortes no salário mínimo e nos gastos com saúde e educação; as duas medidas, reconhecidamente impopulares, são a forma que a equipe do peemedebista encontrou para escapar de uma alta inevitável de impostos neste primeiro momento; segundo os assessores de Temer, agora é hora de cortar despesas, em vez de aumentar as receitas; no entanto, a adoção dessas medidas, embora agrade ao mercado, representa perdas para os trabalhadores; não por acaso, Temer, que tem 1% das intenções de voto segundo o Datafolha, disse hoje que a proposta de novas eleições representaria um golpe
Programa do vice-presidente Michel Temer prevê, segundo a revista Exame, cortes no salário mínimo e nos gastos com saúde e educação; as duas medidas, reconhecidamente impopulares, são a forma que a equipe do peemedebista encontrou para escapar de uma alta inevitável de impostos neste primeiro momento; segundo os assessores de Temer, agora é hora de cortar despesas, em vez de aumentar as receitas; no entanto, a adoção dessas medidas, embora agrade ao mercado, representa perdas para os trabalhadores; não por acaso, Temer, que tem 1% das intenções de voto segundo o Datafolha, disse hoje que a proposta de novas eleições representaria um golpe (Foto: Valter Lima)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O projeto econômico e social que o vice-presidente Michel Temer pretende implantar no país, caso assuma o o governo, jamais seria vitorioso numa disputa eleitoral. Isso porque retira direitos alcançados pelos trabalhadores nos últimos anos e reduz investimentos em áreas essenciais como Saúde e Educação.

Reportagem publicada na revista Exame desta terça-feira (26) revela que para escapar de uma alta inevitável de impostos neste primeiro momento, o grupo que apoia o vice-presidente Michel Temer vai insistir na proposta de desvincular benefícios - incluindo os da Previdência - dos reajustes concedidos ao salário mínimo.

Outra proposta é acabar também com as vinculações constitucionais, como gastos obrigatórios com saúde e educação.

A avaliação é de que esse caminho é mais viável do que a elevação de tributos num momento de recessão da economia. Segundo os assessores de Temer, agora é hora de cortar despesas, em vez de aumentar as receitas.

A adoção dessas medidas agrada ao mercado, mas não representa ganhos para os mais pobres. 

O vice-presidente sabe que tais medidas não são populares, e que tendem a minguar ainda mais o número daqueles que são favoráveis a um eventual governo seu. Segundo o Ibope, o índice dos que apoiam Temer é de parcos 8%, enquanto nas pesquisas de intenção de voto, ele possui apenas 1%.

Não é a toa que Temer afirmou nesta terça que a possibilidade de antecipação de eleições seria um golpe (leia aqui). 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247