Aliados de Jair Bolsonaro montam 'operação abafa' para tentar barrar criação de CPI do MEC

Foco central está em fazer com que parlamentares retirem seus nomes do requerimento que pede a investigação do escândalo envolvendo o ex-ministro Milton Ribeiro

www.brasil247.com -
(Foto: ABr)


247 - A crise deflagrada pela revelação de um telefonema interceptado pela Polícia Federal em que o ex-ministro da Educação Milton Ribeiro menciona Jair Bolsonaro virou alvo de uma “operação abafa” por parte de aliados do Planalto. De acordo com o jornal O Globo, o foco central dos bolsonaristas é barrar a criação da CPI do MEC, que já conta com 27 assinaturas, número mínimo para que o colegiado seja viabilizado. 

Nesta linha, os aliados de Jair Bolsonaro já teriam identificado que o senador Giordano (MDB-SP), o último que registrou apoio à comissão, poderá retirar o seu nome da lista dos que assinaram o requerimento. “Segundo integrantes do governo, o parlamentar estaria insatisfeito com demandas não atendidas pelo Executivo. Giordano diz que não negocia a sua opinião, mas está disposto a ouvir o Planalto”, destaca o periódico.

Ainda segundo a reportagem, os articuladores políticos do Planalto também devem tentar reverter o apoio do senador Eduardo Braga (MDB-AM). O parlamentar, contudo, já disse publicamente que não irá retirar sua assinatura do pedido de abertura de uma investigação envolvendo o ex-ministro e liberação de recursos do Ministério da Educação por meio da formação de um gabinete paralelo formado por pastores mediante o recebimento de propinas. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Outra frente que aliados do presidente monitoram com cautela é a investigação envolvendo Milton Ribeiro. Três pessoas de confiança de Bolsonaro relataram ao GLOBO terem sido informadas de que, até o momento, não há vestígios de novas gravações com potencial de atingir o titular do Palácio do Planalto. Com isso, o governo pretende manter o discurso de que não há provas de que Bolsonaro interferiu no inquérito da PF, nem de que vazou informações sigilosas para alvos da operação que apura irregularidades no MEC”, diz o jornal. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email