Almirante Othon pode voltar à prisão

Ex-presidente da Eletronuclear, o almirante Othon Luiz Pinheiro da Silva, 78, pode voltar à prisão; TRF-2 (Tribunal Regional Federal da 2ª Região), do Rio, deve julgar em breve os embargos em que o Ministério Público Federal questiona a sua libertação, em outubro do ano passado; quando concedeu habeas corpuse, o tribunal incompleto: um dos desembargadores, Paulo Espírito Santo, considerado duro em suas decisões, estava de férias; magistrado já chegou a declarar em sessão que não daria a liberdade a Othon se estivesse presente quando o caso foi julgado

Almirante Othon pode voltar à prisão
Almirante Othon pode voltar à prisão
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O almirante Othon Luiz Pinheiro da Silva, 78, ex-presidente da Eletronuclear, pode voltar à prisão. O TRF-2 (Tribunal Regional Federal da 2ª Região), do Rio, deve julgar em breve os embargos em que o Ministério Público Federal questiona a sua libertação, em outubro do ano passado.

Quando concedeu habeas corpus ao almirante, o tribunal estava com o colegiado incompleto: um dos desembargadores, Paulo Espírito Santo, considerado duro em suas decisões, estava de férias. A substituta dele votou a favor de Othon. Com o placar de 2 a 1, o almirante, condenado a 48 anos de prisão e em tratamento de um câncer de pele, foi para casa.

Agora, o resultado pode se inverter caso Espírito Santo participe da nova votação. O magistrado já chegou a declarar em sessão que não daria a liberdade a Othon se estivesse presente quando o caso foi julgado.

As informações são da coluna de Mônica Bergamo na Folha de S.Paulo.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247