Alvo da Lavo Jato, Odebrecht quebra e dá calote nos bancos

A empreiteira Odebrecht, que já foi a maior empresa brasileira, com mais de 200 mil empregados, chega ao capítulo mais dramático de sua história; alvo da Lava Jato, a empresa entrou em recuperação judicial e anunciou o maior calote já ocorrido no Brasil, no momento em que Sérgio Moro e Deltan Dallagnol são acusados de fraudar acusações contra o ex-presidente Lula; dívidas chegam a R$ 65,5 bi

Alvo da Lavo Jato, Odebrecht quebra e dá calote nos bancos
Alvo da Lavo Jato, Odebrecht quebra e dá calote nos bancos (Foto: GUADALUPE PARDO - REUTERS)

247 - A empreiteira Odebrecht, que já foi a maior empresa brasileira, chegando a empregar mais de 200 mil pessoas, chega ao capítulo mais dramático de sua história. Alvo da Lava Jato, a empresa entrou em recuperação judicial e anunciou o maior calote da história do País, no momento em que o ex-juiz e atual ministro Sérgio Moro e o procurador da Operação Deltan Dallagnol são acusados de fraudar acusações contra o ex-presidente Lula.

Leia mais na reportagem da Reuters:

Odebrecht formaliza pedido de recuperação judicial, com dívidas de R$65,5 bi

SÃO PAULO (Reuters) - A Odebrecht SA, um dos maiores conglomerados empresariais do país, formalizou nesta segunda-feira na Justiça de São Paulo um pedido de recuperação judicial, sob peso de dívidas de 65,5 bilhões de reais.

Em comunicado, a companhia informou que o processo envolve 51 bilhões de reais de dívidas passíveis de reestruturação. Outros 14,5 bilhões de reais são compostos sobretudo por dívidas lastreadas em ações da Braskem e não passíveis de reestruturação.

O pedido de recuperação judicial da Odebrecht exclui Braskem, a empreiteira OEC, a Ocyan, a incorporadora OR, a Odebrecht Transport, o estaleiro Enseada, além da Atvos Agroindustrial, que pediu recuperação judicial no mês passado.

Por Aluísio Alves

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247.Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247