Amazônia está sendo transformada em Cerrado, diz Carlos Nobre

A grande mortalidade de espécies de árvores e o aumento da duração da estação seca na região, causados pelo desmatamento, queimadas e aquecimento global, sinalizam alterações irreversíveis; leia reportagem da Rede Brasil Atual

Amazônia está sendo transformada em Cerrado, diz Carlos Nobre
Amazônia está sendo transformada em Cerrado, diz Carlos Nobre

Da Rede Brasil Atual Há fortes suspeitas de que a Amazônia caminha a passos largos para deixar de ser a maior cobertura florestal do mundo e se transformar em bioma semelhante ao do Cerrado brasileiro ou à savana africana – o processo chamado de savanização. Os sinais, que preocupam cientistas, são a morte de espécies de árvores amazônicas e o aumento da duração da estação seca no Sul e no Sudeste da região.

Nos últimos 30 anos, a estação seca está em média seis dias mais longa por década. A mais duradoura passou de meio mês. "Se continuar assim, aquela região acabará virando uma savana bem degradada", disse o climatologista Carlos Nobre em entrevista publicada esta semana pela revista National Geographic.

Esses impactos já eram previstos em seus estudos pioneiros em 1991, quando lançou a hipótese da savanização. Era uma época em que os desmatamentos na Amazônia brasileira estavam na faixa de 8%, 9% e hoje chegam a 20%.

Mas para o ministro do Meio Ambiente do governo Jair Bolsonaro (PSL), Ricardo Salles, o aquecimento global é questão secundária. E o chanceler Ernesto Araújo acredita que os estudos e a política sobre mudanças climáticas são influenciados pelo "marxismo cultural".

Cientista sênior do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), Nobre foi um dos autores do relatório sobre o aquecimento global do Painel Intergovernamental em Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês), em 2007. E desde maio de 2018 é pesquisador do Instituto de Estudos Avançados da USP. O objetivo é estabelecer caminhos de desenvolvimento sustentável para o Brasil até 2050.

Nobre: "Mesmo se reduzirmos a zero as emissões do Brasil, ainda dependemos que o resto do mundo faça o mesmo."
Na entrevista, o cientista, que pesquisa o clima do bioma há 40 anos, destaca que alguns lugares do Cerrado têm o mesmo nível de chuva da região de Santarém, na Amazônia – anualmente, um total de 1.800 milímetros. "Se chove o mesmo volume, por que em um lugar se tem floresta e no outro, cerrado? Na região de Santarém a chuva é bem distribuída o ano todo e a estação seca é muito curta. No Cerrado, a precipitação é muito concentrada na estação chuvosa, e depois essas regiões passam por três, quatro meses de chuva zero, enquanto em Santarém chove 80, 100 milímetros na estação seca. Essa é a grande diferença. Estudos de ecologia começam a mostrar um aumento da mortalidade de algumas espécies de árvores. Então, estamos realmente muito próximos desse ponto de ruptura", alerta.

A savanização é causada pelo desmatamento, queimadas e o aquecimento global. Os dois primeiros fatores, conforme o cientista, podem ser combatidos pelo governo brasileiro com políticas para zerar o desmatamento e acabar definitivamente com as queimadas e incêndios florestais. O terceiro fator está fora do nosso controle: o aquecimento global. "Mesmo se reduzirmos a zero as emissões do Brasil, ainda dependemos que o resto do mundo faça o mesmo."

Pelos cálculos de Carlos Nobre e outros cientistas, a savanização vai ocorrer se o aquecimento na Amazônia passar de 4ºC – já chegou a 1,5ºC e o desmatamento passar de 20%. "Seria um caso extremo, no qual as emissões continuariam como estão por 40, 50 anos. Recentemente, escrevemos um alerta na Science Advances de que não deveríamos deixar o desmatamento passar de 20%, 25% na Bacia Amazônica como um todo. Já chegou a 17% na internacional; na parte brasileira, a 20%", diz.

A estimativa, segundo ele, é que, uma vez ultrapassado o limite do desmatamento, leva-se entre 20 e 50 anos para ocorrer essa substituição. "E a savana virá de forma irreversível, porque será o bioma em equilíbrio para o novo clima. Ao diminuir as chuvas locais, reduzirá também a vazão dos rios."

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247