Amorim: espionagem dos EUA visa recursos naturais

'Não é à toa que a Petrobrás e o nosso Ministério das Minas e Energia foram alvo de espionagem digital', disse o ministro da Defesa, em palestra para militares no Rio; ele destacou os esforços da presidente Dilma Rousseff, com o respaldo da Alemanha, para criar um controle global que garanta a privacidade dos cidadãos e a segurança dos Estados

'Não é à toa que a Petrobrás e o nosso Ministério das Minas e Energia foram alvo de espionagem digital', disse o ministro da Defesa, em palestra para militares no Rio; ele destacou os esforços da presidente Dilma Rousseff, com o respaldo da Alemanha, para criar um controle global que garanta a privacidade dos cidadãos e a segurança dos Estados
'Não é à toa que a Petrobrás e o nosso Ministério das Minas e Energia foram alvo de espionagem digital', disse o ministro da Defesa, em palestra para militares no Rio; ele destacou os esforços da presidente Dilma Rousseff, com o respaldo da Alemanha, para criar um controle global que garanta a privacidade dos cidadãos e a segurança dos Estados (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – O ministro da Defesa, Celso Amorim, relacionou o esquema de espionagens do governo de Barack Obama à competição por recursos naturais do Brasil.

"Não é à toa que a Petrobrás e o nosso Ministério das Minas e Energia foram alvo de espionagem digital", disse em palestra para militares durante cerimônia pelo centenário da Escola de Guerra Naval, no Rio.

Segundo documentos obtidos com o ex-consultor de inteligência americano Edward Snowden, a rede privada de computadores da Petrobras é monitorada. Em nota divulgada no domingo, o diretor do Departamento dos Serviços de Inteligência dos EUA, James R. Clapper, afirmou que não é segredo para ninguém que o país coleta informações sobre questões econômicas e financeiras, especialmente para proteger cidadãos norte-americanos e os interesses dos aliados da nação. Mas ele ressaltou que o governo não compartilha segredos comerciais com companhias.

A presidenta da Petrobras, Graça Foster, chegou a admitir que a possibilidade de informações sigilosas terem sido acessadas causa "no mínimo desconforto, porque não sabemos se vazou e o que vazou".

O ministro destacou os esforços da presidente Dilma Rousseff, com o respaldo da Alemanha, para criar um controle global que garanta a privacidade dos cidadãos e a segurança dos Estados. "Mas também é preciso ter presente o nexo que associa a competição por recursos naturais às intrusões eletrônicas em nossa soberania."

Leia aqui matéria do Estado de S. Paulo sobre o assunto.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email