Ao aliar-se ao Centrão, Bolsonaro dificulta caminho de Doria, Huck e Moro até 2022

De acordo com auxiliares próximos, Jair Bolsonaro abandonou a direita radical e começa a preencher o campo do Centro, espaço político que outros nomes tentavam ocupar para chegar à presidência em 2022

Jair Bolsonaro, João Doria, Luciano Huck e Sergio Moro
Jair Bolsonaro, João Doria, Luciano Huck e Sergio Moro (Foto: Reuters | GOVSP | Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Com o movimento cada vez mais forte de Jair Bolsonaro em direção ao Centrão, auxiliares do chefe do Executivo e integrantes do próprio centro avaliam que Bolsonaro abandona a direita radical e passa a  ocupar um espaço mais moderado da política, jogando para o lado outros nomes que tentavam se encaixar neste mesmo espaço, como por exemplo o governador de São Paulo, João Doria, o ex-ministro Sergio Moro e o apresentador da TV Globo Luciano Huck, segundo a Folha de S. Paulo.

Com a recolocação de Bolsonaro no espectro político, o caminho dos três postulantes à presidência da República fica mais difícil. Os possíveis futuros candidatos podem, assim, chegar com menos força na próxima eleição presidencial.

No Palácio do Planalto, tal tese começa a ser alimentada cada vez mais, com o objetivo de incentivar Bolsonaro a continuar no mesmo movimento de aproximação do Centro.

O governador do Maranhão, Flávio Dino, opositor a Bolsonaro, desconfia de sua máscara moderada. "Basta ouvir os palavrões e destemperos de Bolsonaro para entender que, por baixo da moderação, está o verdadeiro Bolsonaro, extremista e agressivo”.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247