Após acusar Mourão de tortura, Geraldo Azevedo se desculpa

O cantor e compositor Geraldo Azevedo relatou durante um show no sábado que o general Hamilton Mourão, candidato a vice-presidente de Bolsonaro, foi um dos torturadores nos 41 dias em que ficou preso em 1969, durante a ditadura militar; o militar, no entanto, ingressou no Exército apenas em 1972; o artista pediu desculpas e Mourão ameaçou processar o compositor

www.brasil247.com - Após acusar Mourão de tortura, Geraldo Azevedo se desculpa
Após acusar Mourão de tortura, Geraldo Azevedo se desculpa


247 - O cantor e compositor Geraldo Azevedo declarou num show em Jacobina na noite de sábado (21) que, quando foi preso na ditadura militar, em 1969, o general Hamilton Mourão, candidato a vice na chapa de Jair Bolsonaro, "era um dos torturadores".

"Olha, é uma coisa indignante, cara. Eu fui preso duas vezes na ditadura, fui torturado, você não sabe o que é tortura, não. Esse Mourão era um dos torturadores lá", discursou, do palco. Ele acrescentou: "e essa alegria toda que está tendo aqui vai se perder, vocês estão sabendo disso. O Brasil vai ficar muito ruim se esse cara ganhar".

O general Mourão, no entanto, ingressou no Exército apenas em 1972. Na data da prisão de Geraldo Azevedo, em 1969, o candidato a vice tinha apenas 16 anos. Ele é filho de um militar de mesmo nome, o general de divisão Antonio Hamilton Mourão.

O compositor acabou se desculpando em nota "pelo transtorno causado pelo equívoco e reafirmou sua opinião de que não há espaço no Brasil de hoje para a volta de um regime que tem a tortura como política de Estado e cerceia a liberdade de imprensa". Mourão ameaçou o artista de processo

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Durante a ditadura, Geraldo Azevedo integrava o grande grupo de artistas que se opunham ao regime. Entre 1968 e 1969 participou de reuniões clandestinas no Teatro Gláucio Gil, ao lado de cineastas, roteiristas, atores e músicos. Nelas, conheceu Glauber Rocha, Walter Lima Junior, Caetano Veloso, entre outros. Geraldo ficou responsável por recolher assinaturas para o manifesto contra a censura. Em 1969, foi preso com a esposa, sendo torturado por 41 dias. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O compositor ainda disse: "eu fico impressionado do povo brasileiro não prestar atenção nas evoluções humanas. Olha, eu não sei se isso aqui vai entrar em algum choque com a prefeitura, coisa e tal, mas é o meu sentimento de indignação em relação com o que pode acontecer com o Brasil".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email