Após falar em prorrogação do auxílio emergencial, Guedes diz que governo não fará 'aventuras'

"Não vamos fazer aventura, não vamos gastar o que não pudermos. Ou tem sustentação fiscal ou não interessa", disse o ministro da Economia, Paulo Guedes, nesta sexta-feira. Ontem, ele defendeu a prorrogação do auxílio emergencial no caso de uma segunda onda da Covid-19 no Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes
O ministro da Economia, Paulo Guedes (Foto: REUTERS/Adriano Machado.)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Menos de 24 após defender a prorrogação do auxílio emergencial no caso de uma segunda onda da Covid-19 no Brasil, o ministro da Economia, Paulo Guedes, defendeu a manutenção do controle dos gastos públicos e afirmou que o governo não irá fazer “aventuras” ao logo de 2021. “Nós não vamos fazer aventura, não vamos gastar o que não pudermos. Ou tem sustentação fiscal ou não interessa”, disse ele nesta sexta-feira (13). 

O ministro afirmou que a prioridade do governo é retomar as discussões em torno das reformas, “estamos seguindo nosso programa, só que esse programa tem que ser acelerado. Esse é o nosso plano A. Tudo mais são hipóteses de probabilidade menor. Nossa hipótese de trabalho é essa: o Brasil voltou (a crescer). E o Congresso vai acelerar as reformas”, ressaltou Guedes de acordo com reportagem do jornal O Globo.  

Ainda segundo ele, não existem brechas no Orçamento para ampliar programas sociais, uma vez que que não se chegou a um consenso que viabilizasse a criação do Renda Cidadã, programa de transferência de renda idealizado pelo governo em substituição ao Bolsa Família. 

“Se nós conseguirmos criar um produto melhor dentro da responsabilidade fiscal, corretamente financiado, criaremos. Se não, o presidente já deu a última palavra. Enquanto essa discussão não estiver estabelecida, e ela não está, o que vai acontecer é o seguinte: vamos voltar para o Bolsa Família e acabou. Nós não vamos fazer aventura, não vamos gastar o que não pudermos. Ou tem sustentação fiscal ou não interessa”, disse. 

 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247