Após Malafaia, Feliciano adere à onda Marina

Deputado Marco Feliciano, do PSC, sugere que Everaldo, do mesmo partido, desista da candidatura à presidência e apoie a presidenciável do PSB, Marina Silva; segundo ele, para "não haver divisão no meio cristão"; pastor contou ter ficado chocado com a primeira versão do programa de governo de Marina Silva, que apoiava o casamento gay, mas que comemorou o recuo da candidata diante da pressão de Malafaia  

Deputado Marco Feliciano, do PSC, sugere que Everaldo, do mesmo partido, desista da candidatura à presidência e apoie a presidenciável do PSB, Marina Silva; segundo ele, para "não haver divisão no meio cristão"; pastor contou ter ficado chocado com a primeira versão do programa de governo de Marina Silva, que apoiava o casamento gay, mas que comemorou o recuo da candidata diante da pressão de Malafaia
 
Deputado Marco Feliciano, do PSC, sugere que Everaldo, do mesmo partido, desista da candidatura à presidência e apoie a presidenciável do PSB, Marina Silva; segundo ele, para "não haver divisão no meio cristão"; pastor contou ter ficado chocado com a primeira versão do programa de governo de Marina Silva, que apoiava o casamento gay, mas que comemorou o recuo da candidata diante da pressão de Malafaia   (Foto: Gisele Federicce)

247 – Depois do apoio oficializado pelo pastor Silas Malafaia à candidatura de Marina Silva (PSB) à Presidência, é a vez do deputado Marco Feliciano (PSC-SP), conhecido por suas posições polêmicas contra homossexuais e outros temas, como o aborto.

Ele sugeriu, nesta terça-feira 2, que o Pastor Everaldo, candidato à presidência por seu partido, desista da corrida eleitoral e também declare seu voto a Marina. O presidenciável registrava 3% das intenções de voto nas pesquisas, mas depois da entrada de Marina na disputa, caiu para 1%.

"Neste momento, dadas as circunstâncias, se eu estivesse no lugar do Pastor Everaldo, eu pensaria em declinar da campanha e migrar para Marina, para não haver divisão no meio cristão", disse Feliciano. O deputado ressalta, no entanto, que continuará apoiando o candidato de seu partido caso ele não mude de ideia.

Em entrevista ao Broadcast Político, do Estadão, Feliciano contou ter ficado chocado com a primeira versão do programa de governo de Marina Silva, que apoiava o casamento gay, mas que comemorou o recuo da candidata diante da pressão de Malafaia.

"Marina quis dizer, na mudança do projeto de governo, que não vai influenciar as crianças na escola. Uma coisa é você ensinar a criança a não ser preconceituosa. Outra coisa é você doutrinar a criança e dizer a ela que tudo isso é tranquilo e que ela pode inclusive experimentar. Nesse quesito, Marina foi clara. A presidente Dilma, não", disse o parlamentar.

Conheça a TV 247

Mais de Brasil

Ao vivo na TV 247 Youtube 247